Diego Padilha
Diego Padilha

Mais empresas recorrem a aplicativos do grupo Facebook para vender

Cresceu de 140 milhões a 160 milhões no mundo o número de empreendedores que usam Facebook, WhatsApp ou Instagram nos negócios; parceria do grupo com o Sebrae vai capacitar empreendedores para redes sociais

Letícia Ginak, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2020 | 06h02

Desde o início das medidas de distanciamento social e decretos de lockdown realizados por países de todo o mundo como reação ao avanço do novo coronavírus, as redes sociais se tornaram o grande canal de comunicação e também de vendas de empreendedores. O Facebook (também detentor do WhatsApp e do Instagram) registrou crescimento de 20 milhões de empresas utilizando pelo menos um de seus aplicativos em todo o mundo, passando de 140 milhões para 160 milhões, durante a pandemia. No Brasil, segundo o Sebrae, 29% dos pequenos empresários passaram a vender pelas redes sociais, sendo que 8% entraram em comunidades de interesses dos clientes para vender mais. 

Os dados são reflexo da digitalização dos negócios em tempos de pandemia, segunda grande demanda das PMEs nacionais durante a crise, atrás apenas de como conseguir crédito, ainda de acordo com o Sebrae. Uma pesquisa do Facebook realizada pelo Ipsos mostra que, separadamente, WhatsApp (92%), Instagram (89%) e Facebook (86%) ocupam as primeiras posições em importância para os negócios atualmente.

No entanto, estar na internet não é algo simples e pode até ser uma grande novidade para muitos empreendedores, que não têm nenhuma presença online, por meio de e-commerce próprio ou marketplace. Com o objetivo de facilitar a capacitação dos donos de negócios em meio digital e ainda proporcionar uma inserção estratégica, Sebrae e Facebook acabam de firmar um convênio de cooperação técnica. 

Colaboradores e consultores do Sebrae terão uma imersão nas plataformas do Facebook para entender todos os recursos de marketing digital disponíveis nos aplicativos. Assim, quando um empreendedor for se consultar no Sebrae, os profissionais estarão aptos para tirar dúvidas ou mesmo ajudar na inserção digital do empreendedor nesses meios. Por outro lado, o Sebrae entra com a sua capilaridade nacional (são 18 mil postos de atendimento em todo o País e média diária de 220 mil pessoas em lives) e expertise para ajudar o empreendedor na conversão de vendas originadas pelos anúncios e postagens da pequena empresa. 

"O que esse movimento recente do distanciamento fez é que as empresas estão migrando fortemente para esses canais digitais. Nesse movimento, muitos têm dificuldades em entender as ferramentas. Não conhecem os mecanismos de buscas, os filtros por regiões, como organizar a página, o tamanho e conteúdo do texto. E também vemos muitos perfis ainda posicionados como pessoas físicas e não como perfis empresariais", conta César Rissete, gerente de competitividade do Sebrae.

Ele ainda diz que o primeiro passo é entender como se posicionar nas plataformas e, após isso, aprimorar os recurso de venda direta por meio deles. "O empreendedor precisa encarar essa inserção digital como parte da estratégia do negócio não só para esse momento de pandemia, mas para o futuro da empresa", diz Rissete. 

Para Denis Caldeira, diretor de pequenas e médias empresas do Facebook na América Latina, é preciso fazer com que o empreendedor saiba contar a sua história. "Uma das principais dificuldades dos donos de pequenos negócios é o funil de venda, ou seja,  entender a jornada do seu cliente. Uma vez que você começa a contar a sua história e passa a sua identidade como negócio, você se conecta com a audiência. E essas conexões reais são as responsáveis por gerar vendas. Definir a sua audiência é muito importante, porque senão você dispersa a sua energia em quem não vai consumir o seu produto", diz. 

Facebook e Sebrae também ressaltam que esse processo de digitalização está acontecendo em conjunto com o cliente. "Mesmo do lado do consumidor existe essa curva forçada para entrar para a tecnologia. Então, a digitalização começa a se concretizar  não só pelo lado da oferta, mas também pela demanda", acrescenta Caldeira. 

A parceria com o Sebrae Nacional faz parte do programa Impulsione com Facebook, criado em junho de 2019 e que rodou pelas capitais e principais cidades do País. Em parceria com unidades regionais do Sebrae e entidades como a Central Única de Favelas (Cufa), o programa capacitou donos de pequenos negócios a utilizar as ferramentas empresariais do Facebook. Desde a criação, o programa já capacitou mais de 80 mil pequenos empresários. Agora, funciona de forma inteiramente digital.

Todos os recursos para as PMEs disponíveis nos aplicativos do Facebook - WhatsApp for Business, Loja do Instagram, Lojas do Facebook e Horas Marcadas, focado no setor de serviços que funciona como agenda digital e canal de comunicação com o cliente - são gratuitos. A plataforma ainda disponibiliza uma central de atendimento para que os empreendedores possam tirar dúvidas básicas sobre as ferramentas. Todos podem ser acessados e utilizados pelo celular. 

Durante a pandemia, o Sebrae também firmou parceria com o Magalu, com o objetivo de capacitar os pequenos negócios para vender em marketplaces. O Magazine Luiza cedeu espaço em sua plataforma para as PMEs, auxiliando ainda com a logística.

Receba no seu e-mail as principais notícias do dia sobre o coronavírus. Clique aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.