Rafael Wainberg
Rafael Wainberg

Campanhas incentivam 'compre um doe outro' de comida durante pandemia

Redes de alimentação promovem ações em que clientes compram marmita ou sobremesa e garantem uma segunda unidade para doação a comunidades socialmente vulneráveis

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2020 | 09h31

Durante o período de isolamento social imposto pelo novo coronavírus, os pequenos negócios no ramo da alimentação buscam sobreviver de diferentes maneiras, seja por meio de vouchers, de delivery ou de retiradas no balcão. Algumas iniciativas se destacam ao fomentar o mercado para os empreendimentos e ajudar as comunidades em situação de vulnerabilidade, ao estilo "compre um e doe outro", como as campanhas Alimente-se de Boas Ações, da Boali; Faça o Bem, da Eats For You; e Sorvete do Bem, da Escola de Sorvete.

A Boali, rede de alimentação com 30 restaurantes em 9 Estados, lançou nesta segunda-feira, 27, a campanha com distribuição inicialmente em São Paulo: a cada marmita vendida (R$ 26), a empresa doará uma outra refeição a pessoas em situação de rua, por meio da ONG Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras).

A linha de marmitas congeladas inclui cinco opções, como lasanha de pupunha à bolonhesa e salmão com purê de mandioquinha. As refeições estão disponíveis para compra pelo aplicativo e site da Boali. Frete grátis nas compras acima de R$ 120.

Outra iniciativa da campanha é vender os congelados a preço de custo (R$ 13) a clientes que estão passando por dificuldades financeiras e não conseguem pagar o valor cheio. Neste caso, não há doação da segunda marmita.

Já a iniciativa da Escola Sorvete, lançada em meados de abril, propõe vender 200 unidades de tortas geladas à base de sorvete por semana, durante seis fins de semana, dando em troca 200 kits de alimentação por semana para moradores de Heliópolis, na zona sul de São Paulo. 

A campanha Sorvete do Bem é promovida pelo mestre-sorveteiro Francisco Sant’Ana, que fundou a escola para formar profissionais que queiram empreender no mercado de sorveteria artesanal. A entrega em Heliópolis é feita pelo próprio Francisco, por meio do projeto social Oficina do Sorvete de Heliópolis.

A cada semana há um sabor diferente de torta gelada, podendo ser cheesecake, brigadeiro, banoffee ou outras (R$ 89,90, a torta com 1,4 litros). As encomendas podem ser feitas por WhatsApp (11-98683-3034) e os pagamentos devem ocorrer via transferência bancária ou PicPay.

Já a iniciativa da Eats For You - Faça o Bem, lançada em 24 de março - propõe a doação de marmitas a pessoas em situação de vulnerabilidade social, mas o cliente não recebe comida: ele paga para outra pessoa receber. Com isso, os cozinheiros autônomos da plataforma continuam trabalhando e sendo remunerados, e comunidades recebem a doação. O delivery fica por conta da startup e de parceiros.

No início da campanha, era vendido apenas o Kit Marmita, com 10 unidades, mas agora é possível adquirir refeições avulsas por R$ 13,40 (é preciso baixar o aplicativo). Até o momento, foram mais de 7.000 doações realizadas, segundo a startup. Uma das instituições beneficiadas é a Rede Rua, que apoia pessoas em situação de rua.

Em tempos de solidariedade

Como o assunto é comida, além de comprar marmitas para doações, paulistanos também podem ajudar a ONG Prato Cheio a manter seu trabalho de distribuição de comida a pessoas em situação de vulnerabilidade social. A entidade coleta ingredientes que seriam desperdiçados em mercados, restaurantes e produtores e os distribuem a instituições como creches, asilos e abrigos, ensinando aos cozinheiros sobre como aproveitá-los.

A ONG atua desde 2001 no Brasil e, no último ano, destinou quase 1 tonelada de alimentos por dia às entidades parceiras. Para quem deseja ajudar a instituição, é possível fazer doações pelo telefone (11) 97480-2894. Mais informações no site da instituição.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. Clique aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.