Como ficam os negócios de moda em 2021?

Como ficam os negócios de moda em 2021?

No varejo, loja física passa a ser ambiente de experimentação, e interação nos canais digitais demanda gestão das informações dos consumidores, diz gestora do Sebrae-SP

Redação

16 de fevereiro de 2021 | 17h20

Por Daniela Abdala, gestora estadual de comércio do Sebrae-SP

Especialistas estão com boas expectativas com relação ao mercado têxtil para 2021. As indústrias estão retomando aos poucos a produção e, com a reabertura do varejo, espera-se que o PIB da indústria têxtil chegue em torno de 2,5%, segundo informações da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).

As tendências para o setor da moda em 2021 são o uso de novas tecnologias que evitem o desperdício e busquem a reutilização que traduz o conceito de consumo consciente. Além disso, a aposta é em personalização, já que o consumidor procura cada vez mais produtos com características marcantes e com certa diferenciação.

Assim, o setor têxtil vem investindo em processos mais sustentáveis e apostando no uso de matérias-primas naturais (preocupação com o ambiente) que ofereçam conforto e versatilidade.

Quando fazemos o recorte para o varejo da moda, percebemos que as vendas online continuam em alta e as redes sociais continuam com muita interação entre as marcas e seus consumidores.

O consumidor tem deixado claro que não deve abrir mão do conceito de omnichannel, mesmo com a reabertura do comércio, por isso, as lojas precisam se adaptar urgentemente e investir esforços para atuar nos canais online e offline.

Loja física deve passar a ser local de experimentação. Foto: Hélvio Romero/Estadão

A loja física passa a ter um papel muito maior de interação da marca com o cliente, transformando-se num ambiente de experimentação. O cliente está carente desse contato presencial e é uma ótima oportunidade para gerar relacionamento, estreitar vínculo com a marca e coletar informações relevantes sobre o comportamento do cliente.

As interações nos canais digitais também são uma grande fonte de informação sobre o consumidor. Com uma gestão adequada é possível proporcionar experiências nos canais online e offline, que coletem informações, que possam ser tratadas e transformadas em insights que gerem novos negócios.

Mas é preciso salientar que o cliente está disposto a fornecer informações se estiver ciente de que se trata de uma troca, ou seja, que ele perceba que as informações que fornecerá serão utilizadas para gerar ofertas atraentes e de seu interesse. Esse processo deve ser claro e leal para que o cliente perceba a relevância de compartilhar suas informações.

É fundamental entender o comportamento do consumidor para elaborar um bom planejamento, para ser assertivo nas compras e na gestão de estoque, para investir em divulgação, para criar relacionamento e proporcionar uma experiência positiva ao cliente.

O cliente espera encontrar agilidade no atendimento, comodidade através dos vários canais, facilidade no pagamento, descontos nos produtos e serviços, entrega garantida, entre outras coisas.

E sua empresa? Está preparada para atender esse novo consumidor?

Quer debater assuntos de Carreiras e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. Se quiser apenas receber notícias, participe da nossa lista de distribuição por esse link ou digite @canalsuacarreira na barra de pesquisa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.