Como fica a moda em tempos de pandemia do coronavírus

Como fica a moda em tempos de pandemia do coronavírus

Estudos apontam que novos hábitos da quarentena, como home office, apontam para consumo de itens confortáveis e multifuncionais; é preciso repensar produção e disposição de loja física

Redação

19 de maio de 2020 | 09h16

Por Daniela Abdala, gestora estadual de comércio varejista do Sebrae-SP

Vivemos um momento de grande ansiedade e incerteza no setor da moda. O varejo de moda em especial é um dos segmentos mais atingidos pela crise causada pelo novo coronavírus, já que os produtos de moda perderam seu apelo de compra diante da pandemia.

Há dois grandes desafios em se tratando da moda: como sobreviver durante a crise e como se preparar para a retomada. É preciso ter sangue frio e equilíbrio emocional para focar as energias na reestruturação do negócio, olhar para o presente usando a realidade como lente, mas com otimismo suficiente para identificar as oportunidades.

Reorganize o fluxo de caixa, renegocie valores e prazos, avalie as demais operações da empresa e defina ações de curto prazo para atravessar a crise da melhor maneira possível.

Busque adaptar o negócio para as mudanças e os novos hábitos de consumo. Invista no relacionamento com o cliente, utilize as redes sociais para oferecer conteúdo e para criar proximidade e interação. Não se esqueça de que a crise vai passar e o cliente precisa sentir sua presença e seu apoio para se lembrar da marca no futuro.

Com as lojas de portas fechadas, é preciso se adaptar e reorganizar o negócio. Foto: Pixabay

É importante ter empatia e entender os sentimentos de compra do cliente nesse momento de crise. Essas percepções ajudarão a criar novos argumentos de venda e a preparar uma roupagem nova e mais atraente para os produtos nesse período de isolamento social.

Seja estratégico, utilize seu tempo e o da sua equipe para planejar a retomada. Analise como será a relação com seus clientes pós covid-19. Avalie o mix de produtos da loja e reorganize o sortimento considerando os novos hábitos de consumo.

Estudos apontam que os novos hábitos (como o home office e a preocupação com a saúde) mudarão a forma de consumo da moda. A tendência é o consumo de produtos úteis e duráveis, que ofereçam conforto e proteção, peças atemporais, produtos multifuncionais e uma forte presença da moda homewear e loungewear.

Outro passo sem volta para o varejo da moda é a transformação digital. O setor tem forte presença digital nas redes sociais, mas em se tratando de pequenos varejos de moda são poucos os que têm loja virtual ou atuam com marketplaces. Aposte nas mídias sociais mais eficientes para interagir com seu cliente e avalie os canais de venda online que atendam às necessidades dele e que a empresa possa abraçar com segurança.

Repense a loja física como um canal de experimentação, onde o cliente possa vivenciar a marca, degustar produtos e consumir serviços.

Receba no seu e-mail as principais notícias do dia sobre o coronavírus. Clique aqui.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.