Divulgação WhatsApp
Divulgação WhatsApp

WhatsApp Pay: 6 dicas para vender online com o aplicativo

Ferramenta de comunicação mais usada entre empreendedores, WhatsApp facilita compra com rapidez; leia dicas de especialistas sobre como usar WhatsApp Pay e organizar contas da pequena empresa

Anna Barbosa, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2021 | 11h21

O WhatsApp é um dos maiores meios de comunicação entre os brasileiros, instalado em 99% dos celulares do País, segundo pesquisa realizada pela Mobile Time e pela Opinion Box. Tendo em vista a importância da plataforma, os empreendedores não poderiam deixar de marcar presença nela. Segundo a 9ª edição do levantamento “O impacto da pandemia de coronavírus nos pequenos negócios”, do Sebrae, 84% dos empreendedores vendem por WhatsApp. Com isso, a chegada do WhatsApp Pay, liberado neste mês no Brasil, pode ser uma ferramenta facilitadora nas vendas de pequenos negócios.

“O WhatsApp no contexto da pandemia foi um grande canal de digitalização dos negócios. Foi ele que salvou um pouco as vendas no contexto do isolamento. O WhatsApp Pay vem para fechar um pouco a cadeia. Eu tenho a oferta do produto e posso oferecer um modelo de pagamento”, pontua Caio Camargo, diretor comercial da Linx, empresa de tecnologia para o varejo.

Outra pesquisa, realizada pela Serasa Experian em fevereiro deste ano, também mostra que 73,4% dos empreendedores vendiam ou passaram a vender produtos e serviços online na pandemia e 72,7% usam o aplicativo como principal ferramenta de vendas. O WhatsApp Pay ainda está liberado apenas para transações entre pessoas físicas, mas microempreendedores costumam usar suas contas físicas para transações (leia as dicas de vendas mais abaixo).

Em todas as pesquisas, o WhatsApp possui uso disparado quando comparado com outras redes. Quanto à instalação nos dispositivos, o levantamento da Mobile Time/Opinion Box indica que Facebook e o Instagram estão, respectivamente, instalados em 79% e 81% dos celulares. Já ao analisar as vendas, a pesquisa do Sebrae indica que o Instagram é fonte de 54% das vendas, enquanto o Facebook representa 51%. 

Facilidade para finalizar compra

Para Alexandre Giraldi, consultor do Sebrae-SP, quanto mais fácil for a finalização da compra, menos barreiras de arrependimento há para o cliente. Assim, se o processo é fácil, rápido e cômodo, não há tempo de o cliente avaliar se realmente vale a pena fazer aquela compra ou não.

“O sistema de pagamento vai fazer com que a comodidade do cliente aumente e ele tenha menos barreiras para desistência. Por exemplo, digamos que eu tenha uma lojinha e uso o Whatsapp para fazer uma comunicação com o cliente, como uma promoção. 'Clique e pague' facilita para que ele fique dentro da plataforma para fazer esse pagamento de forma rápida. Nesse caso, eu não preciso entrar num sistema de pagamento e me cadastrar, como nos e-commerces.” 

O professor de marketing digital da ESPM João Finamor também fala sobre esse ponto. Para ele, há uma facilitação das vendas por impulso. “Tem muito para ganhar na venda emocional, usando uma série de gatilhos mentais. É praticamente como se trouxesse a loja física para o online.”

A simplificação é um ponto positivo para ambos: empreendededores e consumidores, diz Finamor. “O impacto na jornada do consumidor é gigantesco pela facilitação do processo. Há um ano, você precisaria de integração, transferência, e-commerce, link de pagamento. Uma parcela da população está caminhando para a digitalização e não conseguiria fazer, sente essa dificuldade. O WhatsApp Pay é muito simplificado.”

Para Caio Camargo da Linx, além da facilitação de compra para o consumidor, há maior democratização ao pensar no número de pessoas que podem ser atingidas. “O fato de não se comprar digital não era uma questão de acesso (financeiro), mas que as pessoas não eram bancarizadas para comprar. O PIX vem como um facilitador, mas o WhatsApp Pay também começa a ser uma carteira digital que possibilita essa pequena compra.” 

6 dicas para vender online com WhatsApp Pay

As opiniões entre os especialistas podem até ser divergentes, mas o professor João Finamor ressalta que é preciso tentar. “Os micro e pequenos empreendedores precisam entender que com a distância o WhatsApp é o canal mais popular do Brasil. Precisa testar, não existe fórmula mágica.”

Independentemente de qual seja a escolha ou a abordagem do empreendedor, fica claro que o importante é conhecer as necessidades do seu público e fazer abordagens assertivas.

“Um cuidado que eu acredito que precisa haver é com excessos. Essa ferramenta não foi feita para ser spam. Sempre peça autorização para o cliente para fazer ações promocionais: você aceita receber promoções quinzenais?”, pontua Alexandre Giraldi, consultor do Sebrae-SP. 

Confira as dicas abaixo:

  1. Crie uma comunicação clara com o cliente, fazendo com que ele possa entender o real valor do produto e a forma que é finalizado. Use os status do WhatsApp para mostrar produtos, faça envios direto para clientes, fale sobre ofertas de produtos e formatos de pagamento, mostrando o quão fácil é fazê-lo pelo aplicativo.

  2. Lembre que o WhatsApp é uma ferramenta de comunicação. É uma conversa direta entre a marca e o próprio consumidor. Dito isso, é interessante que a pessoa entenda que essa comunicação deve ser personalizada. Tratar o consumidor como um indivíduo e não de forma massificada. “Conversar com alguém no WhatsApp é como conversar com alguém na minha loja. É melhor conversar com 10 e vender para 5 do que falar com 1000 e não vender pra ninguém”, diz Caio Camargo.

  3. Segmente a base de clientes. Não basta ter apenas números sem saber o perfil do seu cliente. A segmentação pode ser feita desde a captação de origem (cupom X, link Y) e pode facilitar o envio de conteúdos.

  4. Crie boas listas de transmissão. Nas próprias redes sociais, faça ofertas, use códigos de desconto. “Quem chamar no WhatsApp e mandar o código vai ter esse desconto”, exemplifica João Finamor. Contudo, ele lembra a importância da segmentação para que essas listas possam ser efetivas. 

  5. Promova ofertas específicas. Trabalhe o canal de vendas como se fosse um curador desse cliente. Indicar o que é melhor e mais direcionado para aquele consumidor, como links, promoções e catálogos.

  6. Reforce a segurança no aplicativo. Faça o reconhecimento e a verificação em duas etapas. Do mesmo jeito que é um processo facilitado de pagamentos, também pode ter fraudes. Por isso, é importante manter o padrão de segurança, além de ter cuidado com a senha e com a guarda do equipamento. Além disso, explicar sobre a segurança do aplicativo para o cliente também é importante. 

Como organizar as finanças com o WhatsApp

Especialistas falam sobre como organizar as finanças da empresa com o uso de uma conta de pessoa física:

  1. Utilize planilhas ou softwares. Existe uma série de possibilidades para o controle. Desde a forma mais simplista (planilhas de Excel etc.) até sistemas. Construa planilhas de fluxo de caixa e controle de recebimentos e pagamentos.

  2. Use contas separadas. Por exemplo, no banco X é sua conta pessoal, utilizada para a família, enquanto no banco Y é a conta da empresa. Assim, é possível separar totalmente um dinheiro de outro. 

  3. Organização pessoal e controle para que seja possível entender as vendas do dia. Separe o que é dinheiro de casa e o que é dinheiro da empresa e lembre que você só pode usar para si depois que o negócio pagou todas as despesas, evitando inadimplências futuras.

* Estagiária sob a supervisão da editora de Carreira e Empreendedorismo, Ana Paula Boni

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.