Allora Digital
Allora Digital

Negócios de skincare se beneficiam com cliente de olho em autocuidado

Rotinas de bem-estar em alta fazem crescer produtos como dermocosméticos com ativos naturais, veganos e com ação terapêutica na pele

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2021 | 05h00

A pandemia transformou a mentalidade do consumidor quando se fala de skincare, que passou a focar em produtos que favorecem a saúde da pele. Dois fatores principais estão por trás dessa mudança: mais tempo disponível em casa e mais consciência de bem-estar. Rotinas de autocuidado também serviram de escape para a instabilidade trazida pela crise. A análise é do relatório Skin Care in Brazil, do provedor de pesquisa de mercado Euromonitor International.

O novo comportamento reflete-se no mercado. Segundo o Painel de Dados de Mercado da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), o segmento de cuidados com a pele teve alta de 21,9% no ano passado, considerando o valor líquido sem adição de impostos sobre vendas. Os produtos que impulsionaram o resultado foram as máscaras de tratamento facial - que cresceram 91% - e os esfoliantes corporais - com aumento de 153,2%.

Quem sentiu essa mudança foi a Dermatus, empresa de dermocosméticos que atua em duas vertentes: farmácias de manipulados e indústria de produtos para venda em massa. Em 2020, enquanto a primeira teve queda de demanda, a segunda registrou aumento de vendas, impulsionada por site próprio, revenda e presença em marketplaces. A área terminou o ano com crescimento de 15%.

“Depois de abril (de 2020), tivemos um aumento da venda de produtos para rugas, anti-idade, flacidez cutânea, oleosidade e aumento do viço da pele. As pessoas tiveram mais tempo para se cuidar e passaram a se olhar mais em telas. Hoje, você passa o dia inteiro no ‘espelho’”, diz Cláudia Souza, farmacêutica e sócia da empresa.

Atenta às mudanças do entorno, Thays Borges criou a Abebé Skin depois de ouvir queixas de amigas sobre como a pandemia tinha afetado a saúde mental e reverberado na pele. O uso constante de máscara de proteção também contribuiu para o aparecimento de acne e manchas. Descendente do povo indígena Tupinambá - a bisavó foi a última antes da miscigenação -, a microempreendedora individual colocou em prática conhecimentos ancestrais do uso de plantas para o alívio de problemas de pele, com os quais ela mesma conviveu desde criança.

“Estou acostumada com uma mulher indígena me colocando em banho de assento, fazendo chá de boldo e com folha de goiabeira. A marca surgiu em um momento de escassez, de um ponto de escuta e da minha expertise familiar. Eu estava no momento de assumir essa responsabilidade e passar isso por meio de produtos naturais”, explica.

Assim como muitos negócios nascidos na pandemia, os produtos começaram a ser produzidos na cozinha de casa, apenas com glicerina, óleo vegetal e o ativo, que pode ser camomila, barbatimão ou rosa mosqueta, por exemplo.Uma amiga cosmetóloga e outra farmacêutica ajudaram a desenvolver os produtos de modo que fossem aceitos pela maioria das peles. “São produtos genéricos, que a gente sabe das propriedades, mas que se adaptam a peles normais. Não vai curar uma acne ou foliculite, mas vai amenizar.”

Analista de negócios do Sebrae-SP, Rafaela Brugnatti observa que a vantagem das micro e pequenas empresas é justamente esse conhecimento próximo do cliente, que fala das necessidades que a marca poderia atender. Para ganhar espaço em um mercado dominado por grandes marcas, ela diz que o digital é a melhor ferramenta. “A gente viu bastante o uso do Google Meu Negócio, Facebook, Instagram, marketplace, lives mais focadas e uso de nanoinfluenciadores.”

A Care Natural Beauty também nasceu de histórias pessoais de duas amigas. De um lado, a advogada Patrícia Camargo trabalhava no departamento jurídico de uma empresa de cosméticos e viu a quantidade de processos judiciais pautados em doenças causadas por componentes tóxicos dos produtos. Do outro, Luciana Navarro passou a ter contato com formulações limpas por ter de interromper o uso de itens comuns devido ao tratamento quimioterápico contra um câncer benigno, procedimento que comprometia a saúde da pele.

As linhas de skincare e maquiagem da marca trazem pigmentos e ativos naturais oriundos dos biomas brasileiros, o que reduz o risco de complicações. As embalagens são de vidro com possibilidade de comprar refis para maior duração do recipiente. Além disso, a Care desenvolve produtos multifuncionais: uma mesma pigmentação pode ser usada como blush, iluminador, sombra para olhos ou batom, o que economiza também nas embalagens feitas de papel cartonado.

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Rafaela diz que, com a crise sanitária, as pequenas marcas tiveram de se reinventar e um dos caminhos adotados foi o de produtos naturais, artesanais e veganos. “Esse nicho está crescendo bastante, até por conta do novo público mais jovem, que preza por propósito”, afirma. Os que já seguiam essa linha passaram a investir em dermocosméticos, itens que, diferentemente dos cosméticos, têm uma ação terapêutica profunda na pele e usam ativos farmacológicos.

Luciana também reconhece que ser uma marca pequena tem suas dificuldades, mas também benefícios, como a agilidade para tomar decisões e implementar ações. Para ela, a pandemia ajudou a evidenciar empresas como a Care. “Ficou em pauta que o importante é saúde, saúde do planeta, sentimento de empatia, de ajudar o pequeno. Acho que despertou muitas coisas que, para nós, como marca independente, fundada por mulheres com capital próprio, acabaram sendo enaltecidas.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.