Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Negócios de eventos e festas registram perdas com coronavírus

Empreendedores de aluguel de móveis, decoração e cerimonial veem corrida de clientes pressionados por convidados; eventos em grandes espaços de exposições, como Expo Center Norte, são adiados

Marina Dayrell, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2020 | 19h09
Atualizado 14 de março de 2020 | 12h42

Com a multiplicação de casos do novo coronavírus no País, pequenos empreendedores do ramo de festas e eventos começaram a sentir os efeitos da preocupação de seus clientes com os riscos de contágio. Comemorações sociais previstas para acontecer neste final de semana, como casamentos e aniversários, foram adiadas ou canceladas mesmo em cima da hora. 

Em um comunicado virtual nesta sexta-feira, 13, o Ministério da Saúde sugeriu o adiamento ou o cancelamento de eventos com grande participação de pessoas. No entanto, em coletiva de imprensa também hoje, o governador do Estado de São Paulo, João Doria, pediu cautela, mas afirmou não haver a necessidade de suspender eventos.

Apesar das declarações do governador, a Mobile, empresa que presta serviços de aluguel de mobiliário para eventos e festas, recebeu as primeiras ordens de cancelamento de evento na terça-feira, 10. “Estamos sentindo na pele. Uma multinacional recebeu ordens da sede na Alemanha para cancelar um evento na quarta-feira. A agenda do fim de semana está quase toda cancelada. Apenas um casamento se manteve porque os convidados de fora do Estado já estão aqui. Mas os menores, como festas infantis, já foram cancelados. O telefone já não toca para novas contratações”, conta Mariana Mariutti, dona da empresa. “Nós, os pequenos, vamos passar por uma fase muito difícil. O problema desse ramo é que temos custo fixo alto e, sem gerar receita, vai ficar difícil sobreviver.”

Os cancelamentos também chegaram aos serviços prestados pela assessora de eventos Rita Lima. Entre seus clientes com eventos em datas próximas, um aniversário para 120 pessoas - previsto para este sábado, 14 - foi cancelado e um casal ainda decide se vai adiar o casamento, marcado para a  próxima semana. “Trabalho com assessoria há 27 anos e nunca passei por uma situação como essa. Os clientes não querem adiar ou cancelar suas festas, mas estão sentindo uma pressão muito forte dos convidados, que estão em pânico, com medo de sair de casa”, conta.

Rita explica que, embora os contratos geralmente possuam cláusulas de cancelamento, eles não costumam prever um motivo de saúde pública, como o vivenciado com o novo coronavírus. “Estou em negociação com os fornecedores, mas todos estão muito chateados com os cancelamentos. Eles têm tentado oferecer aos clientes a possibilidade de postergar o serviço ou a devolução de parte do pagamento feito, o que normalmente não acontece com cancelamentos a menos de 30 dias da data do evento”.

Para lidar com o momento, Luiza Ceridono, dona da Bothanica Paulista, empresa que atua na área de decoração de eventos, ressalta a importância da colaboração entre clientes, empresas e fornecedores. “O nosso mercado é muito parceiro. Quando os clientes começaram a querer cancelar, eu comecei a ligar para os fornecedores para fazer estimativa de custo e a reação de todo mundo foi a mesma: vamos fazer dar certo.”

Ela conta que, com o susto das primeiras notícias sobre a propagação do novo coronavírus, a primeira reação dos clientes foi tentar adiar ou cancelar os eventos, mas acabaram optando por modificações. “Em um deles, que seria no litoral norte de São Paulo, a cliente perderia praticamente todo o dinheiro investido na festa, então ela decidiu trazer para São Paulo e reduziu os convidados apenas para a família. Outro tentou cancelar, mas duas horas depois voltou atrás porque encontrou um novo local ao ar livre”, diz.

Grandes eventos 

Na capital, locais que recebem grandes eventos, como feiras e congressos, aguardam as decisões dos organizadores sobre possíveis cancelamentos. A Expo Center Norte, que possui quatro eventos agendados para o mês de março, informou que ainda não recebeu nenhum comunicado oficial de eventos cancelados ou adiados e orienta que os clientes entrem em contato diretamente com as organizações. 

Duas organizações comunicaram nesta sexta-feira, 13, o adiamento de seus eventos no pavilhão. São eles: Hair Brasil (feira internacional de beleza, cabelos e estética), que estava prevista para ocorrer de 21 a 24 de março e terá nova data anunciada até maio; e Abradilan Conexão Farma 2020 (feira do segmento farmacêutico), prevista para a próxima semana e suspensa, ainda sem nova data divulgada. 

Outro grande pavilhão na capital, o São Paulo Expo também informou ter orientado os clientes a verificar o cronograma diretamente com os organizadores dos três eventos previstos para o mês de março, mas dois deles já anunciaram a postergação. São eles: Intermodal (feira internacional de logística, transporte de cargas e comércio exterior), inicialmente prevista para o dia 17 de março, foi adiada para a segunda quinzena de julho; e Feicon Batimat (evento de construção civil e arquitetura), adiado para os dias 15, 16, 17 e 18 de setembro. 

O Museu da Casa Brasileira anunciou nesta sexta-feira, 13, às 19h, o cancelamento da 14ª Feira Sabor Nacional que aconteceria neste fim de semana (dias 14 e 15) em cumprimento às recomendações do Governo do Estado, que determina que eventos para mais de 500 pessoas sejam postergados por prazo indeterminado a partir de hoje. 

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. Clique aqui. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.