Divulgação
Divulgação

Fintechs e bancos facilitam taxas de microcrédito durante pandemia

Aumento da carência para começar a pagar é vantagem em empréstimos para salvar pequenos negócios; é preciso avaliar, porém, se dívida compromete gestão, diz especialista

Isaac de Oliveira, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2020 | 06h00

Especial para o Estado 

Para tentar arrefecer os prejuízos de micro e pequenas empresas durante a pandemia do novo coronavírus, tradicionais instituições e fintechs (startups financeiras) têm flexibilizado as regras para emprestar dinheiro. Redução dos juros e aumento da carência são algumas das facilidades.

A Caixa anunciou a redução de juros em até 45% nas linhas de crédito para apoio às micro e pequenas empresas, com taxas a partir de 0,57% ao mês. O banco público dá carência de até 60 dias nas operações parceladas de capital de giro e renegociação, e até seis meses de carência para empresas que atuam nos setores de comércio e prestação de serviços. Além disso, são oferecidas linhas de aquisição de máquinas e equipamentos, com taxas reduzidas e até cinco anos para pagamento.

Já o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também anunciou ampliação do crédito para as MPMEs (micro, pequenas e médias empresas) de R$ 10 milhões para R$ 70 milhões, buscando aumentar a capacidade de capital de giro do segmento. Os empréstimos terão carência de 24 meses e prazo de cinco anos para pagamento.

No Banco do Povo Paulista, a linha de microcrédito teve redução de juros de 1% para 0,35% ao mês. O prazo para pagamento passou de 24 para 36 meses, já incluindo o prazo de carência, que aumentou de 60 para 90 dias. Pedidos de concessão de crédito sem avalista passam de R$ 1 mil para R$ 3 mil. As linhas de crédito vão de R$ 200 até R$ 20 mil.

Para além de instituições públicas, a ajuda financeira também está vindo de startups, com ampliação do limite de crédito e extensão do prazo de pagamento, além de carência para começar a pagar a dívida. A IOUU, plataforma de empréstimo coletivo, anunciou que vai diminuir as taxas de juros para dar fôlego aos pequenos negócios. A variação agora será de 1% a 3,6% ao mês. Antes, as taxas variavam, mensalmente, de 1,3% a 3,9%.

“Nos últimos dias, devido à crise, tivemos um aumento de solicitações de empréstimo de 100%”, diz Bruno Sayão, CEO da IOUU. A empresa também dará carência de 90 dias para que se comece a pagar os empréstimos, que podem ser quitados em até três anos. Outra opção é o empréstimo bullet, modelo no qual o montante principal acrescido de juros deve ser pago apenas no final do contrato do financiamento.

O empresário Marcelo Haddad, de São José do Rio Preto (SP), precisou de um financiamento de quase R$ 15 mil depois de ver o faturamento do seu negócio - um trailer de comida árabe - cair 70% na última semana. Além de reduzir o quadro de funcionários de cinco para três pessoas, a empresa está intensificando as vendas por delivery.

“O motivo de procurar um financiamento é a necessidade de manter o negócio funcionando, saldar as dívidas de curto e médio prazos, os boletos, o aluguel. Então, eu estou pegando emprestado esse dinheiro para tentar reforçar meu delivery e aumentar meu faturamento”, diz Marcelo.

A fintech BizCapital também aumentou o limite de crédito de R$ 150 mil para R$ 200 mil, e a carência passa a ser de 50 dias (não mais 30). Em relação aos juros, a startup também reduziu as taxas, que agora variam de 1,99% a 6,49% ao mês, explica o sócio-fundador da BizCapital Francisco Ferreira.

“Eu imagino que a gente ainda vai fazer outras mudanças. Mas o que a gente entende é que, na atual situação, em que você tem vários negócios com redução da receita significativa, a pessoa precisa de um prazo para poder ter um retorno.”

Cuidados necessários

Especialistas destacam a importância das medidas de facilitar os financiamentos, mas também ressaltam a importância de não se precipitar. A principal recomendação é avaliar a situação da empresa antes de se comprometer com dívidas.

O consultor do Sebrae-SP Felipe Chiconato recomenda cautela já que ainda não dá para afirmar até quando a crise vai se estender. “O crédito mal tomado inviabiliza o negócio. O que temos aconselhado é a redução de custo, negociação com credores para maiores prazos, revezamento, férias, descanso de banco de horas para quem possuir, buscar inovação e adequar sua forma de atuar ao novo contexto”, diz Felipe.

O Sebrae conta com um Guia de Gestão Financeira e um infográfico que buscam apoiar os donos de pequenos negócios nesse momento de instabilidade econômica. O documento traz orientações sobre como os donos de pequenas empresas podem realizar o controle das finanças mais preciso diante de complicações nos negócios no atual cenário, que envolvem redução no movimento de clientes, faturamento menor, redução na produção, dentre outros.

O professor da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV EESP) Henrique Castro aconselha que, se houver folga financeira no caixa, a empresa deve utilizá-lo. “Mas, se não for possível, é melhor tomar um desses empréstimos do que utilizar saldo de contas garantidas, que têm taxas muito mais elevadas.”

Henrique sublinha que, na hora de tomar um empréstimo, a pessoa deve levar em conta a taxa de juros que está sendo cobrada, se está sendo oferecida alguma carência de pagamento e o prazo para a quitação do empréstimo.

“A carência é algo muito importante, pois em um momento como o atual, de muita incerteza, é difícil saber quando os fluxos de caixa vão começar a entrar novamente”, frisa.

Onde fazer o empréstimo

  • BizCapital

Prazo para pagar: 24 meses

Carência para começar a pagar: 50 dias

Juros: 1,99% a 6,49% / mês

Crédito: R$ 5 mil a R$ 200 mil

  • Firgun

Prazo: 36 meses

Carência: 60 dias

Juros: até 1%

Crédito: R$ 500 a R$ 21 mil

  • IOUU

Prazo: 36 meses

Carência: 90 dias

Juros: 1,3% a 3.9% / mês

Crédito: R$ 1 mil a R$ 500 mil

  • Kavod Lending

Prazo: 18 a 36 meses

Carência: 90 dias

Juros: 1% a 3% / mês

Crédito: R$ 100 mil a R$ 1 milhão

  • Nexoos

Prazo: até 24 meses

Carência: 90 dias

Juros: 1,14% a 4,19% / mês

Crédito: R$ 15 mil a R$ 500 mil

  • Tutu Digital

Prazo: 6 a 24 meses

Carência: 60 dias

Juros: a partir de 1,9% / mês

Crédito: R$ 1 mil a R$ 100 mil

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus. Clique aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.