ESTADÃO PME » » notícias

Especial Franquias| 23 de junho de 2018 | 19h 10

Moda integra físico ao online

Marcas precisam se adaptar às vendas na internet para sobreviver

Raul Galhardi, especial para - O Estado de S.Paulo

Integração entre loja física e e-commerce é o maior desafio para o setor. Foto: Pixabay 

Integração entre loja física e e-commerce é o maior desafio para o setor. Foto: Pixabay 

O setor de moda encontra-se diante de um desafio: integrar suas lojas físicas com seus canais digitais. Assim como aconteceu e acontece em segmentos importantes do varejo, como o de móveis e produtos esportivos, as redes do setor precisam se atentar para essa tendência inevitável. E quem quer investir na área, deve, na opinião dos analistas, procurar por empresas com estratégias definidas de integração.

A moda infantil, por exemplo, pode é um nicho que tem conseguido lidar bem com essa equação. Até pela natureza do cliente (as crianças trocam de tamanho de peças com muita rapidez), a presença física da loja ainda se impõe. 

Para Walkiria Carvalho Aquino, sócia da rede de franquias Pezinho & CIA, com exceção do primeiro trimestre deste ano, as vendas têm sido constantes há pelo menos três anos. “Os pés das crianças crescem rapidamente e os pais precisam comprar calçados novos. Não é algo que se pode postergar por muito tempo”, diz a empresária.

:: Delivery e gourmet são os destaques :: 

:: Restrição de renda estimula consertos ::

:: Cresce aposta em serviço de marketing digital :: 

O diferencial da empresa, segundo Walkiria, consiste no foco em presentes para crianças e por agregar em uma loja as melhores marcas de calçados para o público infantil e adulto. Para ela, o comércio eletrônico não tem afetado muito a dinâmica de vendas. “A influência do e-commerce depende do segmento. Se os clientes já conhecem a marca e o molde das roupas, fica mais fácil (comprar pela internet).” Segundo a empresária, os pais ainda preferem não arriscar ao comprar produtos para seus filhos e optam por levá-los até as lojas para provarem.

Para Walesca Pinheiro Soares, franqueada da Calçados Bibi no Rio de Janeiro, franquia que possui marca e design próprios e conta com 110 lojas em 23 Estados, é preciso fazer com que o e-commerce compre da loja, retirando o produto de seu estoque e incentivando o cliente a ir até o estabelecimento, economizando desta forma o frete.

“A Bibi necessita dos sites multimarcas como canal de distribuição. As franquias representam 30% das vendas. O cliente não vê o canal, mas a marca.” Segundo relata, agora clientes chegam às lojas mostrando produtos 30% mais baratos em páginas da internet. Ela diz que sites que têm vendido produtos da marca por preços muito menores do que o sugerido estão sendo cortados das vendas.

:: Momento é bom para viagem doméstica ::

:: Rede explora tendência de uso da tecnologia ::

:: Especialização corta custos do consumidor :: 

De acordo com Andrea Kohlrausch, diretora de varejo da Bibi, a empresa tem investido na integração digital com as lojas físicas e também em outras ferramentas tecnológicas como inteligência artificial e capacitação da rede por meio de aplicativo. “Nós criamos um ‘ninho de inovação’, que permite que toda a rede, desde fornecedores, funcionários até franqueados, possa enviar ideias e as melhores são implementadas”, afirma.

Alta. Apesar da crise econômica, o campo da moda conseguiu manter bons resultados de faturamento entre 2016 e 2017, saindo de R$ 20,4 bilhões para R$ 21,8 bilhões em receita, o que representa uma variação de 7%. Em número de unidades, no entanto, apresentou leve queda de 0,1%.

Marcas. O ramo da moda pode representar uma vantagem para o investidor, por apostar em tendências, se ancorar na cultura de consumo e possuir marcas fortes no setor de franquias.

Sazonalidade. No entanto, o empresário deve se preparar para abrir o bolso. O setor demanda no Brasil alto investimento, tanto de aquisição de marcas, quanto de ponto de venda. A sazonalidade também é um desafio

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui