ESTADÃO PME » » notícias

Melhores Pequenas Empresas para Trabalhar| 25 de julho de 2018 | 5h 06

Construção mira ampliar o relacionamento

Pequenas empresas do setor investem na capacitação dos funcionários para garantir qualidade do serviço em períodos de crise

Raul Galhardi, especial para - O Estado de S.Paulo

Paulo Ramalho, presidente da Repinte, apostou na capacitação dos funcionários para garantir qualidade no serviço. Foto: Werther Santana/Estadão 

Paulo Ramalho, presidente da Repinte, apostou na capacitação dos funcionários para garantir qualidade no serviço. Foto: Werther Santana/Estadão 

Apesar da crise econômica que abala o setor da construção, empreendimentos da área tem conseguido motivar seus funcionários e tornar as relações entre gestores e colaboradores mais próximas e efetivas. “Os colaboradores buscam empresas nas quais eles sejam ouvidos e sintam que o seu trabalho faz diferença”, afirma Ricardo Basaglia, diretor da empresa de recrutamento Michael Page.

:: Veja ranking completo do Great Place to Work - Pequenas 2018 ::

:: Autonomia é a palavra de ordem no setor de TI :: 

Nesse sentido, pequenas e médias empresas, como a Cemara Loteamentos, apostaram na aproximação com seu time. Há dois anos, a empresa mudou o organograma de gestão, de uma estrutura piramidal para a de um “sistema solar”, com os clientes no centro e os colaboradores ao redor.

Durante a crise, que ainda está presente na área, a companhia adotou uma postura mais transparente e passou a explicar aos colaboradores qual era a situação do mercado e da empresa e a detalhar as medidas que seriam tomadas. “Com o empenho dos colaboradores, foi possível reduzir os custos administrativos em 14,5% em 2017 e em 10% neste ano”, conta Marcos Dei Santi, vice-presidente da Cemara Loteamentos.

“Temos funcionários com mais de 20 anos de casa”, relata Paulo Ramalho, presidente da Repinte, empresa de restauração predial. Ao longo do período de recessão, a Repinte investiu principalmente em treinamentos para a área responsável pelas obras, com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço. A empresa também contratou um consultor para treinar a presidência e os gerentes.

:: Salário já não é o mais importante para o funcionário :: 

:: 'O ambiente de trabalho está matando as pessoas' :: 

A estratégia é bastante similar à adotada pela incorporadora Embraplan. Segundo Vanessa Valério Gullo, diretora administrativa e financeira da companhia, o ano de 2017 foi dedicado para a reestruturação do departamento de recursos humanos.

“Procuramos entender o que era importante para os funcionários. Percebemos que o reconhecimento do trabalho, a comunicação interna e a interação eram itens de extrema importância”, relata Vanessa.

A empresa criou um programa que recolhe sugestões e premia ideias, passou a escrever e-mails personalizados para estímulos e agradecimentos e ainda passou a realizar confraternização. “São ações que geram menos cobranças, deixando o clima leve”, diz a executiva.

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui