Reuters
Reuters

Você está preparado para concorrer com os apps educativos do Google?

Empresa lançou ferramenta desenvolvida para ajudar o professor a encontrar conteúdo educativo para usar em tablets e smartphones

Renato Jakitas, Estadão PME,

29 de maio de 2013 | 07h35

O Google anunciou na segunda quinzena de maio, em sua conferência anual para programadores em São Francisco (EUA), o lançamento de uma ferramenta desenvolvida para ajudar o professor do ensino básico a encontrar conteúdo educativo para usar em tablets e smartphones. Batizada de Google Play for Education, a novidade é na verdade uma loja de aplicativos com um sistema de busca que permite que os mestres escolham os apps mais interessantes para seus alunos.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Para Ronaldo Lemos, professor da FGV Direito no Rio de Janeiro, mas especialista no assunto, o movimento da gigante norte-americana deve ser encarado como um sinal para o empreendedor brasileiro. “Esse mercado de educação relacionado com a inovação está explodindo e a entrada do Google nessa competição é o exemplo mais caro disso”, afirma.

“O mercado está em busca de novas soluções, de novas formas de transferir esse conhecimento para o consumidor. Mais do que a tecnologia, a procura por inovação, especialmente no contexto das novas mídias, deve basear o modelo dos negócios daqui para frente”, resume Lemos.

Exemplo. O geógrafo Alexandre Augusto de Oliveira e seu sócio, o cientista da computação Ricardo Fritsche, não têm mais dúvidas sobre isso. A partir de esforços individuais, e praticamente sem investimento inicial, eles formataram a empresa Meritt há três anos. Trata-se de um programa online de avaliação do desempenho de alunos e também de instituições de ensino. Em 2012, a dupla faturou R$ 1 milhão.

“A gente atua numa dimensão de inovação. Observamos que no cotidiano da escola existem estruturas que já estão em funcionamento, em uma rotina que a escola não consegue quebrar. A gente não faz a prova, não aplica o teste e não faz a correção. A gente pega os dados e organiza de forma que se possa fazer um planejamento detalhado do aluno. Isso permite que se obtenha resultados diferenciados”, explica Oliveira.

O empreendedor ainda mantém um produto para avaliar redes de ensino, inclusive públicas, e administra dois portais, públicos e gratuitos, que organizam dados oferecidos pelo governo sobre o setor.

:: Leia também ::

A hora é de empreender com educação no Brasil

Ideias inovadoras no País ganham espaço mesmo fora da internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.