José Luis da Conceição/AE
José Luis da Conceição/AE

Varejo reduz dependência de shopping

Franquias se estabelecem em outros espaços, como condomínios e hotéis

Letícia Ginak, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2018 | 19h02

Apontada por consultores do ramo e por pesquisas realizadas pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o surgimento de novos pontos de venda para além do shopping center já é uma tendência consolidada do varejo brasileiro. São condomínios residenciais e comerciais, universidades, clubes, hotéis e até hospitais que cedem parte de seu espaço para a instalação de redes de comércio e serviços. 

“Em uma universidade é possível ter de 5 mil a 10 mil pessoas circulando por dia, por exemplo. Muitas vezes o franqueado não tem esse fluxo em determinadas lojas de rua”, destaca o coordenador de marketing do Insper, Silvio Laban. 

O surgimento desses modelos é reflexo da evolução do consumo, acredita a consultora de varejo e franquias Ana Vecchi. “Essa mutação é natural e necessária. Significa uma adequação de mercado e não necessariamente tem relação com a crise que vivemos nos shoppings centers, com o alto número de fechamento de lojas”, afirma.

O presidente da Cherto Consultoria, Marcelo Cherto, alerta que o importante é estar perto do consumidor. “Buscar novos formatos é sempre válido, mas é preciso focar no cliente final, ele tem de estar ali. Existem vários locais de circulação para serem explorados e a franquia deve acompanhar isso. Hoje, é possível ter de loja móvel até duas lojas dentro do mesmo espaço, como o ‘cobranding’, cada vez mais comum nos Estados Unidos. Nesse formato, existe apenas um gerente e uma área de armazenagem, como vemos em postos de gasolina aqui no Brasil”, destaca.

:: Recessão fortalece marcas tradicionais :: 

Online. Além da loja física ganhar fôlego em novos espaços, o presidente da consultoria Práxis Education, Adir Ribeiro, reforça as oportunidades para lá de consolidadas no ambiente digital, o e-commerce. “Não há mais possibilidade de fugir da integração entre o modelo online e o offline”, destaca o executivo. 

Cherto, por sua vez, analisa que há hoje pelo mercado opções de integração entre essa loja física e varejo virtual com baixo custo de operação. 

“O comércio físico não precisa mais ter o estoque todo dentro de uma loja, mas, sim, atuar apenas como se fosse um ponto de experimentação, onde o cliente prova uma roupa, por exemplo, mas não sai com ela da loja. A compra é feita efetivamente no varejo online”, completa. 

Setor sênior e capacitação profissional são destaque

Da adequação aos novos ambientes e formas de trabalho ao aumento da população acima dos 60 anos, as mudanças globais de comportamento apontam alguns novos caminhos para o mercado de franquias. Para o consultor Marcelo Cherto, uma temática que merece atenção é a qualificação profissional, proporcionada pelo convívio com outros profissionais em espaços inovadores. 

“Ambientes que favorecem o networking, como os coworkings, devem receber atenção. Hoje a qualificação profissional não é feita apenas por meio da educação, mas também pelo contato entre profissionais”, diz. 

Outro segmento importante e praticamente inexplorado no Brasil é o mercado voltado para os maduros. “As pessoas estão envelhecendo de forma mais ativa e não existem produtos e serviços para elas”, destaca Cherto. 

Para a consultora Ana Vecchi, entre as tendências também estão as microfranquias, mas é preciso ter cautela ao adquirir uma unidade do tipo. “Mesmo micro, não existe franquia barata”, pondera. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.