Um dispositivo que avisa parentes e autoridades quando há um problema e pode salvar vidas

Aparelho foi desenvolvido depois que atleta pensou que seria atacada durante corrida

Estadão PME,

24 de fevereiro de 2015 | 07h00

Uma experiência marcante vivida por um casal de corredores acabou se materializando em uma oportunidade de negócios que pode salvar vidas. Durante uma corrida em um terreno montanhoso e inóspito no estado do Arizona (EUA), Rachel Emanuele sentiu que poderia ser atacada a qualquer momento e entrou em pânico.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A sensação, que era apenas um truque criado pela mente sugestionada pelo isolamento da atleta, fez com que ela tivesse a ideia de criar um dispositivo que emite alertas em situações de emergência. O aparelho, criado em parceria com o marido Arthur Emanuele, foi batizado de First Signal Mace Wear Pod e consiste em um disco de plástico que carrega em seu interior um alto-falante e sensores.

Caso o usuário sofra um mal súbito ou seja atacado por algum agressor, ele poderá emitir sinais de alerta às autoridades ou qualquer outra pessoas que esteja conectada a ele, função permitida por um aplicativo de smartphone ao qual se o conecta o aparelho. Segundo os criadores, ele foi desenvolvido não somente para corredores, mas para qualquer tipo de usuário.

"Mesmo se você estiver em uma parte populosa da cidade, há sempre alguma parte de uma corrida ou uma caminhada em algum lugar isolado. Por isso que decidimos criar um wearable que provocaria automaticamente um alarme alto para pedir ajuda e que deixasse a pessoa com as mãos livres para defender-se de um ataque violento", disse Emanuele ao site Entrepreneur.

Os sensores do dispositivo, além de emitir informações geográficas por GPS, conseguem captar a desaceleração dos passos do usuário. Caso ele pare bruscamente, o aparelho entende que aconteceu algo e envia um alerta. Se a pessoa realmente precisou para de correr, ela pode cancelar o alerta.

Para os empreendedores, o aparelho também pode servir como uma ferramenta de coleta de provas criminais, já que consegue identificar os agressores e fornecer dados sobre onde aconteceu a ocorrência. O usuário também pode registrar notas sobre um incidente, como a descrição de um atacante ou outras peças-chave de identificação.

O aplicativo é gratuito e está disponível para download na App Store e na Google Play Store. Já o dispositivo custa US$ 60 e é necessário assinar o serviço de cobertura que custa US$ 5 por mês. 

::: Veja como funciona o aparelho :::

Tudo o que sabemos sobre:
EmpreendedorismoNegóciosSegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.