Três mil páginas de pequenos negócios são criadas por dia no Facebook, diz diretora de rede social

De acordo com Camila Fisco, diretora da empreendedorismo do Facebook, aumento no número de usuários pede mais cuidado na hora de gerir uma página na rede social

O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2016 | 18h57

Nesta sexta-feira, 4, o Facebook vai terminar o dia com mais 3 mil páginas de pequenas empresas só no Brasil. Elas vão se somar às 3 milhões já existentes no País, mostrando que, hoje, as redes sociais fazem parte da estratégia dos empresários que estão começando um negócio. Os dados foram revelados pela diretora da empreendedorismo do Facebook na América Latina, Camila Fusco, que deu uma entrevista ao vivo ao PME nesta tarde (reveja o bate papo no vídeo abaixo).

"A página no Facebook hoje em dia nasce antes do que o próprio CNPJ da empresa. Isso está sendo um laboratório interessante sobre novos negócios", disse Camila, que é responsável por mostrar estratégias aos empreendedores não só no Brasil, mas também no México, na Colômbia e na Argentina.

Para gerir uma página, as dicas são adotar alguns cuidados, como não misturar um perfil pessoal com o da empresa e não tentar "calar" as eventuais críticas que forem feitas. "Da mesma forma que o Facebook permite a reclamação, também permite ao empreendedor se defender, mostrar que se preocupa com aquilo. As páginas são uma oportunidade para que o empresário trabalhe melhor o produto, dedique uma linguagem própria ao negócio", destacou a diretora.

Hoje, só no Brasil, são 108 milhões de usuários - e esse número cresce diariamente. O ambiente do Facebook se torna, então, cada vez mais competitivo, já que o número de amigos e páginas curtidas aumenta, mas o formato do "feed" de notícias não. "O algoritmo mostra aquelas informações que são mais relevantes para cada pessoa, exibindo o que você interage mais. Por isso, o conteúdo tem que ser aperfeiçoado", comentou Camila, que destacou ainda não ser preciso, obrigatoriamente, investir em anúncios para crescer. Caso o empresário opte pelo anúncio, a dica é só o fizer quando a página estiver totalmente pronta. "Se não, é como se fazer um panfleto chamando para um restaurante que ainda está sem comida."

Camila revelou também uma mudança nos últimos anos, no que se refere à estratégia da rede social em lidar com os negócios. Antes, havia um objetivo de fazer com que as vendas ocorressem dentro da própria plataforma. Hoje, a rede se direcionou para a necessidade de cada empresa. "O Facebook quer que você atinja os objetivos, seja físico, online, de consultoria ou serviço", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.