Marco Alfredo Di Cunto Júnior é gerente de marketing na empresa
Marco Alfredo Di Cunto Júnior é gerente de marketing na empresa

Tradicional, Di Cunto avalia que o momento atual é de organizar a casa

Marco Alfredo Di Cunto Júnior, terceira geração sucessora da Di Cunto, participou do Encontro PME

Estadão PME,

27 de outubro de 2015 | 07h13

A Di Cunto, templo da gastronomia italiana localizada no bairro da Mooca, em São Paulo, está passando por uma reestruturação que vai profissionalizar ainda mais o empreendimento essencialmente familiar. Fundado há 80 anos, o lugar, hoje administrado por Marco Alfredo Di Cunto Júnior, terceira geração sucessora, tapa as arestas e está “organizando a casa” para atender um mercado que exige da companhia, cada vez mais, planejamento e preocupação com os custos.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

“Por muitos anos nos estruturamos a partir do faturamento do Natal. Dezembro garantia os outros meses. Mas temos uma estrutura muito grande e isso vem exigindo mudanças”, contou Marco, no último módulo do evento que reuniu empreendedores do setor de doces em São Paulo.

De acordo com o empreendedor, o cenário nacional, tanto político quanto econômico, sinaliza que não é o momento de expandir seu negócio. “Agora é hora de organizar a casa”. No caso da Di Cunto, arrumar significa diminuir a dependência de datas sazonais e ampliar as condições para que meses de movimento mais fracos resultem em mais receita.

Para isso, a marca, que tem mais de mil itens de fabricação própria, passou a atender o mercado corporativo com mais vigor e também busca maneiras para aumentar e melhorar a distribuição dos seus produtos no varejo. “Desta forma estamos conseguindo diluir o peso que o Natal tinha dentro da empresa. Os produtos são de qualidade e vão continuar. Vamos continuar fazendo as mesmas coisas, mas de um jeito otimizado. Em vez de subir os preços dos produtos, estamos tentando gerar receita em outros lugares e de outras formas”, explica o empresário de São Paulo.

:: Leia também::

Refresco contra a crise

Potencial brasileiro chamou a atenção dos norte-americanos

Empreendedor planeja estratégias múltiplas para enfrentar cenário

Mercado corporativo precisa ser ‘seduzido'

Festas de fim de ano devem impulsionar as vendas de bolos

O segredo é você ter coerência

 

Desafios. Quando o assunto é pulverizar as fontes de receita, normalmente, uma das primeiras alternativas que seduzem um empreendedor – seja lá qual for o seu ramo de atuação – é transformar o negócio em um modelo de franquias. A Di Cunto, no entanto, não pensa nisso. Nem em ampliar o número de lojas próprias – hoje são quatro unidades em São Paulo.

“A parte mais difícil de uma expansão é manter o controle de qualidade. Seja o atendimento ou produtos. Tem que pensar nisso tudo antes”, diz o administrador, que conta com os conselhos dos familiares na tomada de decisões.

A falta de tempo e a urgência de soluções para questões do dia a dia, segundo Marco, engessam a vida do pequeno empresário. Com os minutos contados, fica mais difícil planejar o que vai ser feito. “A nossa produtividade, por exemplo, não era questionada por estar disfarçada em outras questões. Tinham coisas mais emergenciais a serem resolvidas”, explica.

Mas, segundo ele, é necessário olhar e discutir a empresa sempre que possível. “Planejamento é a palavra de ordem em qualquer empresa”, avalia Marco. “Todas precisam de um.”

Tudo o que sabemos sobre:
encontro pmedoces

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.