Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Todo mundo tem um app para táxi. E agora, o que fazer?

Taxistas e passageiros têm diversidade para escolher seus assistentes virtuais e podem usar mais do que um produto

Rodrigo Rezende, Estadão PME,

17 de agosto de 2013 | 16h10

O mercado de aplicativos de smartphones para chamar táxis é novo, mas competitivo. Usuários e taxistas têm diversas opções para escolher os que vão usar. Para Marcelo Nakagawa, blogueiro do Estadão PME e professor de empreendedorismo do Insper, os produtos têm agradado os profissionais e as pessoas que usam o serviço. Ele acredita que mais novidades devem ser desenvolvidas, mas, provavelmente, pelas empresa que já estão no segmento.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

Na opinião de Nakagawa, esse nicho já tem "gente grande". "Para entrar nesse mercado, não dá mais para buscar a liderança", diz. O que deve acontecer, sinaliza o professor, é as empresas que já estão atuando desenvolverem aplicativos novos. Outra oportunidade para crescer, ele conta, é investir para atende a demanda corporativa, das empresas que utilizam serviços de táxis para seus funcionários.

A 99Taxis é uma das que não querem parar de crescer. A empresa, que completa um ano em agosto, opera em algumas das principais capitais do Brasil e espera começar a trabalhar em pelo menos mais 10 cidades até o final do ano. Prazo também para a empresa lançar um plano de cobrança, segundo Paulo Veras, um dos três sócios do negócio. Por enquanto, ninguém paga pelo serviço, nem passageiro, nem taxista. "Vamos desenvolver um sistema para cobrar comissão por corrida", diz Veras.

O empreendedor conta que no começo foi mais difícil. A empresa levou cinco meses para ter 200 taxistas cadastrados. "Hoje são mais de 8,2 mil e cadastramos em torno de 100 profissionais por dia", diz. Veras afirma que a empresa detém dois terços das corridas de aplicativo na cidade de São Paulo.

Para obter esse resultado, ele aposta em diferenciação, incluindo facilidade de navegação, trabalhar com taxistas e clientes comprometidos (que não furam). Mas o diferencial principal do seu aplicativo, de acordo com o proprietário, é a agilidade. "Procuramos entregar o táxi mais rapidamente que os concorrentes." Fica claro que cada empresa deve buscar o seu diferencial e "brigar" para atrair e conquistar seus clientes, que parecem ter comprado a ideia. Veja a seguir algumas empresas que atuam nesse mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.