Reprodução
Reprodução

Tecnologia permite a pessoa com doença cerebral voltar a falar normalmente

Os sintetizadores, que conferem um tom metálico às palavras, podem ser substituídos por vozes reais

ESTADÃO PME,

13 de dezembro de 2013 | 06h40

 Pessoas com paralisia cerebral, danos cerebrais ou outras doenças neurológicas podem se tornar inaptas a falar - e precisam recorrer aos sintetizadores de vozes - aqueles aparelhos que 'codificam a mensagem enviada pelo cérebro em fala, mas uma fala metálica, robótica.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Pensando nisso, uma empresa norte-americana desenvolveu uma tecnologia, que se chama VocaliD, e que pretende fazer o mesmo processo com um resultado totalmente diferente. Para construir uma voz personalizada, muito parecida com a de qualquer ser humano,  a empresa extrai propriedades da voz - ou de qualquer som emitido - pela pessoa com problemas. 

::: ENTENDA COMO A TECNOLOGIA FUNCIONA :::

Em seguida, os empreendedores aplicam esses sons a uma voz real doada por uma pessoa com a mesma idade, tamanho, sexo do cliente com problemas. O empreendimento, em seu site, informa que recebe vozes de doadores e, também, pode enviá-las para quem tiver interesse.

A professora Rupal Patel, diretora do Laboratório de análise de comunicação da Northeastem University, e o médico Tim Bunnell, são os responsáveis pela iniciativa. De acordo com o site mantido por eles, apenas nos Estados Unidos há 2,5 milhões de pessoas com severos problemas para falar por conta de alguma doença.

::: LEIA TAMBÉM :::

Um aplicativo para você provar aos seus filhos que o Papai Noel de fato existe

Software ajuda polícia a monitorar atuação das quadrilhas em redes sociais

Dispositivo permite ao consumidor pedir pelo drive thru e pagar como pedágio

Venda de maconha para fins recreativos cria fila de empreendedores

Perdeu alguma coisa? Dispositivo coloca seus amigos para procurar o objeto

Empresa cria aparelho que permite a pessoa com deficiência grave voltar a andar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.