Estudo indica tendências em startups
Estudo indica tendências em startups

Startups de impacto social aderem ao crowdfunding

Estudo realizado pela organização Artemísia e consultoria Din4mo traça perfil de empresas embrionárias

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo,

12 de novembro de 2015 | 08h06

As startups que buscam aceleração para viabilizar seus negócios são, essencialmente, formadas por equipes pequenas, buscam investimento embrionário, o chamado seed money, e dedicam cada vez mais o serviço prestado para o impacto social. Essas são as conclusões da pesquisa "Empreendedores de Impacto", realizada a partir de uma parceria entre a organização Artemísia e a consultoria especializada em startups Dín4mo e obtida em primeira mão pelo Estadão PME.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O levantamento considerou o cenário descrito por 1200 startups que procuraram a Artemísia no último ano em busca de aceleração. Em sua maioria, 58% dos casos, são empresas embrionárias lideradas por empreendedores nível educacional elevado (pós graduação, mestrado ou doutourado), que pretendem recuperar o investimento inicial em até cinco anos de funcionamento.

Chama a atenção as empresas que não se declaram endividadas, o que acontece em 67% dos casos. Para o sócio-diretor da Din4mo e coordenador da pesquisa Haroldo Torres, esse dado é preocupante, pois sinaliza que há poucas opções para captação de recursos para projetos incipientes.

"E natural que startups em geral sejam empresas muito pequenas. O ponto é que não há oferta de créditos para essas iniciativas no Brasil. Então, começa a surgir uma discussão, que é a demanda por outros recursos", pontua Torres.

Diante da dificuldade de captar investimento pelas formas tradicionais, o financiamento coletivo, ou crowdfunding, aparece pela primeira vez entre opções de captação para startups, em 4% dos casos dos que buscaram investimento. Pode parecer pouco, mas Torres considera significativo.

Modalidades como o peer to peer lending, empréstimo sem intermédio de um banco ou insituição financeira, e equity crowdfunding são destacadas pelo consultor como uma tendência. "Para esses mecanismos reduzem muito o custo de tomar dinheiro. Na perspectiva do investidor, ele pulveriza o investimento em vez de concentrar em uma única iniciativa. Com isso, dilui os riscos", define.

"O mercado financeiro é muito concentrado no Brasil, grandes clientes têm preferência. Nunca se desenvolveu de verdade um mercado sofisticado nesse sentido", analisa o consultor.

Pesquisa. O estudo "Empreendedores de Impacto", realizado em parceria entre a Artemisia – organização pioneira no Brasil no fomento e aceleração de negócios de impacto - e a consultoria Din4mo, será apresentado ao público nesta quinta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Startupscrowdfundingimpacto social

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.