Pixabay/Domínio público
Pixabay/Domínio público

Startup: veja 5 erros que você deve evitar para o projeto dar certo

Conversamos com o presidente da Associação Brasileira de Startups, que elaborou a lista de 5 erros mais comuns dos empreendedores, ao longo do processo de criação da empresa

Alessandro Lucchetti, Especial para o Estadão

20 de junho de 2017 | 21h30

É triste, mas as startups brasileiras não costumam durar muito. Segundo o estudo Causas da Mortalidade de Startups Brasileiras, assinado por Carlos Arruda, Vanessa Nogueira, Afonso Cozzi e Vinicius Costa, publicado pela Fundação Dom Cabral em 2013, 25% das startups do País são encerradas após menos de um ano; 50% com menos de quatro anos e 75% com menos de 13 anos.

Ouvimos Rafael Ribeiro, diretor executivo da Associação Brasileira de Startups, que listou alguns erros mais comumente cometidos e que, normalmente, ceifam bons projetos (e outros não tão bons assim).

1) Não escolha seu amigo para sócio apenas por ser seu amigo

É comum vincular-se amizade a sociedade. É necessário observar primeiro se suas virtudes são complementares. 

Um sócio deve suprir lacunas e deficiências do outro e providenciar, com conhecimento, complementaridade em assuntos não tão bem conhecidos pelo parceiro de empreitada.

2) Não deixe de validar seu negócio antes de lançá-lo

O mercado é que dirá se o seu negócio é viável. É necessário pesquisar a aceitação do produto ou solução que será ofertada antes de investir muito dinheiro numa hipótese ainda não devidamente testada.

"Em vez de desenvolver um aplicativo logo de cara, é necessário entrevistar várias pessoas. Muitos empresários criam o aplicativo antes de pesquisar", diz Ribeiro. E nada de encomendar pesquisar a empresas especializadas nisso. Esse trabalho custa caro e não deve substituir uma atividade fundamental para o empreendedor: ir às ruas, conversar com os potenciais consumidores, ouvir suas dores, testar, buscar feedback.

"É apenas depois dessa série de conversas, de validações, que as funcionalidades de um aplicativo deverão ser implementadas e testadas. Primeiro é necessário examinar se fazem sentido", alerta o diretor executivo da ABS. E jamais se afaste de seu cliente, de seu consumidor final  -- é ele quem dirá quais funcionalidades devem ser implementadas.

3) Não monte um power point para correr atrás de investidores antes de testar e validar o produto

"Muitos empreendedores montam um power point e vão atrás de investidores antes de validar e testar o produto. É melhor trackear primeiro, lançar o produto em menor escala e apresentar números aos potenciais investidores: quanto está vendendo, quanto está rodando", diz Rafael. "Ninguém vai colocar dinheiro vendo apenas uma apresentação em power point.

4) Não escolha um investidor-anjo baseado apenas em seu poder financeiro

"Quando você estiver no processo de escolha de um investidor-anjo, não veja só a grana que ele tem disponível para aplicar em sua ideia", aconselha Ribeiro. É interessante observar quais outras virtudes são desejáveis num investidor-anjo: qualidade e capilaridade de seu networking, conhecimento executivo, se é um homem do mercado.

"Uma escolha sábia de seu investidor-anjo poderá torná-lo diferente no mercado. Analise com cautela, veja o que esse investidor-anjo pode acrescentar, se ele pode ser seu mentor."

5) Não deixe de fazer o MPV

O MPV, ou mínimo produto viável, é um elemento importantíssimo. Trata-se da versão mais simples de um produto que pode ser lançada com um mínimo de esforço e desenvolvimento. "Nem pense em lançar sua startup antes de fazer o MPV. Desenvolva seu produto em mínima escala para testar, para verificar qual feedback se obtém. É a partir disso que se pode pensar em funcionalidades, que se poderá analisar quais farão sentido e quais não", salienta Ribeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
InovaçãoEmpreendedorismoTecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.