O ex-engenheiro da Nasa Lauren Fletcher lidera a startup
O ex-engenheiro da Nasa Lauren Fletcher lidera a startup

Startup quer usar drones para plantar 1 bilhão de árvores por ano

Tecnologia ajudaria a baratear custos e aumentar eficiência do plantio

Estadão PME,

14 de maio de 2015 | 07h13

Aqui no Estadão PME já noticiamos o uso de drones para entrega de medicamentos, refrigerantes e até de pedidos na mesa do restaurante. Agora, a startup BioCarbon Engineering chega com a proposta de utilizar a tecnologia para "combater o desmatamento em escala industrial utilizando reflorestamento em escala industrial". O plano é plantar 1 bilhão de árvores por ano com o uso de drones.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Segundo o site da empresa, a destruição de florestas, a mineração, a agropecuária e a expansão dos centros urbanos destroem 26 bilhões de árvores a cada ano. A empresa acredita que pode combater esse desmatamento com o uso das mais recentes tecnologias.

Enquanto a plantação manual é lenta e cara e o método que espalha sementes secas apresenta baixo índice de germinação, a proposta da startup é utilizar drones para o plantio de sementes germinadas, que utiliza técnicas de agricultura de precisão. O uso da tecnologia ainda reduziria a mão de obra e os custos do procedimento.

De acordo com o site Springwise, plataforma criada para captar e replicar boas ideias de empreendimento ao redor do mundo, a técnica custaria 85% menos que os métodos tradicionais. Liderada pelo ex-engenheiro da Nasa Lauren Fletcher, a startup tem a proposta de oferecer um sistema integrado de mapeamento, reflorestamento e monitoramento. Primeiro é feito um mapeamento do terreno, seguido do plantio das sementes. A expectativa é que seja possível plantar 36 mil sementes por dia. 

Tudo o que sabemos sobre:
tecnologiadroneestadão pmeinovação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.