Divulgação
Divulgação

Startup cria botão que conecta-se ao smartphone para facilitar a vida do usuário e arrecada R$ 1 mi

Cada vez mais pequenas empresas adotam o sistema para tirar ideias do papel

DANIEL FERNANDES,

10 de setembro de 2013 | 17h06

 Uma startup de Nova York criou um dispositivo para smartphones que já arrecadou quase US$ 500 mil (R$ 1,14 milhão aproximadamente) no site de financiamento coletivo Kickstarter. E ainda faltam 33 dias para a empresa encerrar o processo de captação de recursos. O dispositivo que já fez 20 mil pessoas colocarem a mão no bolso para financiá-lo se chama Pressy e é tão simples quanto as melhores invenções.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O Pressy surge, aliás, com a proposta de resolver um 'problema' causado pelos smartphones. De acordo com seus criadores, os telefones modernos são incríveis, mas se transformam em um problema quando a ideia é tirar uma simples foto ou enviar a sua localização. Para essas ações, estimam os criadores do produto, é preciso fazer entre cinco e sete ações diferentes.

Para resolver esses problemas, a empresa criou um botão pequeno que conecta-se no celular ao ser afixado, pelo usuário, no espaço reservado para o captador do fone de ouvido. Uma vez plugado no celular, e com o app baixado, o usuário pode simplesmente customizar as ações do botão - pode ser acionado para uma foto rápida, por exemplo.

Eficiente. Os sites de financiamento coletivo estão sendo usados por empreendedores para transformarem seus produtos em realidade. Recentemente, uma empreendedora obteve expressiva quantia para colocar em prática a aplicação de um método diferente de ensino do chinês, por meio de figuras. Saiba mais sobre essa história.

Um chaveiro em forma de canivete também chamou a atenção dos internautas, que resolveram apostar no produto. Leia mais.

Tudo o que sabemos sobre:
kickstarter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.