Divulgação
Divulgação

Startup com três anos de vida agrega delivery de comida e prevê faturar R$ 160 milhões em 2013

Empresa está em oito países da América Latina, inclusive no Brasil, e faturou em 2012 cerca de R$ 40 milhões

Renato Jakitas, Estadão PME,

22 de abril de 2013 | 06h42

Para além do e-commerce, Alvaro García acredita que o filão da internet passa pelos agregadores de serviços online. É bom prestar atenção em sua opinião. Com outros dois sócios, todos uruguaios, ele toca a operação do Pedidos Já, um  site que reúne deliveries de comida em oito países da América Latina, inclusive o Brasil, e faturou em 2012 US$ 20  milhões (cerca de R$ 40 milhões).

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A startup tem apenas três anos de vida e conta com cerca de 5,5 mil restaurantes cadastrados em sua plataforma  online, incluindo grandes marcas como Burger King, KFC, Telepizza e Pizza Hut. No Brasil, onde está há um ano, são  1,8 mil estabelecimentos cadastrados em São Paulo (onde tem 1,3 mil restaurantes), Belo Horizonte e Curitiba.

"O Brasil é um dos nossos mercados mais recentes, mas é o que mais cresce. Estamos avançando na casa dos 30% por mês  no País", afirma García, que ainda toca a empresa do Uruguai. "Montamos um escritório no Brasil e já estamos com 11  funcionários por ai", diz ele, por telefone.

Há mais ou menos um ano a Pedidos Já lançou a versão do agregador para smartphones. O aplicativo  cruza a rede de  restaurantes do site com o GPS do celular e, assim, indica opções disponíveis de delieveries nas imediações do  usuário. Em pouco tempo, o serviço superou as expectativas do empresário e, hoje, é tido como propulsor do  crescimento experimentado pela empresa, que neste ano espera alcançar US$ 80 milhões (R$ 160 milhões).

"Queremos ser o Mercado Livre da comida", confessa Alvaro García, que tem a Kaszek Ventures, empresa de capital de  risco liderada por Hernan Kazah, co-fundador de MercadoLivre, entre seus investidores, além de Nicolás Szekasy e a  Atomico entre os sócios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.