Ke Oloo/EFE
Ke Oloo/EFE

Startup brasileira quer trocar curtida em rede social por água potável na África

Ribon ganha dinheiro com anúncio em telefone celular; até agora, campanha arrecadou o suficiente por 2.800 dias de consumo

Daniel Lisboa, Especial para O Estado de S.Paulo

08 de março de 2017 | 05h12

A Ribon, uma startup recém-criada, encontrou uma maneira curiosa de promover seu aplicativo. A cada nova curtida em sua página no Facebook, a empresa promete doar para uma pessoa na África água potável suficiente para um dia de consumo. Até agora, a campanha já arrecadou o suficiente para cerca de 2.800 dias de consumo. 

Mas como exatamente isso se dará? Segundo a Ribon, por meio de uma parceria com a ONG Evidence Action. A entidade, que já fornece água para cerca de três milhões de pessoas em países como Quênia, Uganda e Malawi, criou dispensadores de cloro de simples manuseio. Os equipamentos são instalados próximos aos locais onde comunidades pobres buscam água, e bastam algumas gotinhas para transformar a água barrenta em potável. 

Quando a campanha da Ribon terminar em 15 de março, a parceria com a Evidence Action prevê que a ONG se responsabilizará por instalar, nos locais onde já atua, dispensadores para limpar água suficiente para cumprir com o resultado da campanha.    

Gerente de produção da startup, Rafael Rodeiro explica que a campanha é o primeiro passo para a promoção do aplicativo Ribon, desenvolvido por ele e mais dois colegas. A ideia é que o app, ainda em fase de testes, funcione da seguinte maneira: a cada vez que o usuário desbloqueia a tela do celular, ele adquire uma moeda virtual que posteriormente é convertida em doações para entidades parceiras. 

Mas de onde virão os recursos para a Ribon? Com anunciantes que aparecerão para o usuário toda vez que ele desbloquear o celular. "Optamos por esse modelo pelo fato das pessoas desbloquearem o celular, em média, de 110 a 150 vezes por dia", diz Rafael. "Os anunciantes, porém, só pagarão quando as pessoas clicarem no anúncio. E, independente disso, todo desbloqueio resultará em moedas para doação."

O gerente explica que a Ribon não priorizará anunciantes de segmentos específicos, mas a ideia é trabalhar com marketing de conteúdo. Ou seja, não serão anúncios tradicionais, mas textos com informações sobre determinados temas vinculados ao anunciante. 

O aplicativo está em fase de aperfeiçoamento, e a startup deverá finalizá-lo, além de aguardar pelo resultado da campanha, antes de buscar pelos primeiros anunciantes. 

A escolha da Evidence Action se deu, de acordo com Rafael, pela empresa figurar em primeiro lugar em um ranking que destaca vários quesitos que atestam idoneidade. "Foi uma negociação simples. Apresentamos nossa proposta e em duas semanas tivemos um acordo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.