Reprodução
Reprodução

Sorveteria em Bertioga fatura R$ 600 mil com sabores como o de queijo parmesão

O estabelecimento também aposta em frutas do nordeste para atrair o cliente

Rodrigo Rezende, Estadão PME,

09 de março de 2014 | 08h09

Fundada em 1999, a sorveteria Aquarela tem cerca de 100 sabores de sorvetes, todos fabricados na própria loja, em Bertioga, no litoral norte de São Paulo. Um dos seus diferenciais é oferecer sabores que fogem do portfólio tradicional do segmento. Um exemplo é o sabor de queijo parmesão, que foi criado no final de 2013 para a temporada de verão.

::: Confira nossas páginas especiais :::

FRANQUIAS

TV PME

Rádio PME

Casos de Sucesso

Blog do Empreendedor

Agenda Tributária

"Temos diversos sabores diferentes, uns 20 tipos feitos com frutas nordestinas", diz Felipe Ebling, que comanda a empresa ao lado da mulher e dos pais. Em 2013, o negócio faturou R$ 600 mil.

E não são apenas os sabores diferentes que atraem os clientes. "Temos um espaço aconchegante, todo de madeira e tijolinho, de frente para o canal de Bertioga", explica Ebling. A loja também vende cervejas especiais. Noventa e cinco por cento dos clientes são turistas.

A sorveteria Aquarela começou em um espaço de 150 m2, hoje a loja fica em um espaço de 1.038 m2, onde também fica o laboratório onde os sorvetes são fabricados.

A família era do ramo de elétrica, mas decidiu apostar em um novo segmento. Os empreendedores aprenderam a fabricar o sorvete e hoje o principal diferencial, segundo Ebling, é ter os 100 sabores expostos na vitrine, prontos para consumo. "Tem muita gente que diz que tem muitos sabores, mas quando o cliente chega não tem para vender", afirma.

:: Leia também ::

Rede faz sucesso com sorvetes típicos do México

Franquia vende sorvete preparado na frente do cliente em 30 segundos

Cinco opções de franquias de sorvetes e milk shakes com investimento inicial a partir de R$ 89 mil

Chega ao Brasil sorveteria com 11 milhões de combinações de sabores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.