Dalmira está no comando da Damp há 40 anos
Dalmira está no comando da Damp há 40 anos

Sorveteria com jeito de consultório sentimental

No comando da Damp há 40 anos, Dalmira acompanha o crescimento de gerações

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo,

27 de janeiro de 2016 | 07h49

A empresária Dalmira Soares Domizi não tem medo do inverno. Dona da tradicional sorveteria Damp, localizada no bairro do Ipiranga, zona sul de São Paulo, ela garante, com a fala pausada e a voz da experiência, que a chuva, sim, pode atrapalhar o consumo do produto. “Quem é que vai sair de casa, pegar o carro e correr o risco de fica boiando na enchente para tomar sorvete?” Para esses dias, dona Dalmira conta mesmo com o caixa reforçado para não ter prejuízo no fim do mês.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Ela sabe o que fala, afinal, são mais de 40 invernos na ativa, uma mudança de loja e infindáveis quilos de capim santo e outros ingredientes transformados em sorvetes. Mas sobre números, Dalmira não fala. Ela não revela sequer a idade, aquele que garante ser “o maior segredo do Ipiranga”.

::: Leia também :::

O mercado de sorvetes pós-paleta

A nova sede da Damp, inaugurada no ano passado, manteve o público fiel da sorveteria e atraiu mais clientes ávidos por provar sabores como gorgonzola com nozes, queijo brie com damasco, água de rosas e alecrim do campo. Mesmo os tradicionais recebem um toque de personalidade, como morango e amora, que são salpicados por manjericão. A variedade, para a empresária, é o segredo do sucesso. O bufê de sorvetes oferece 54 sabores, os quais o cliente pode provar o quanto quiser antes de decidir.

“O bufê de sorvete ajuda muito, mas dá trabalho. Os sabores se misturam, as pessoas derrubam uma farofinha. Exige mais manutenção”, conta. “Damos muita prova, e não é aquela prova na colherinha de mexer café. É generosa.”

A proximidade com o consumidor, para a empresária, é o fator-chave para a fidelização. A regra é levada tão à risca que Dalmira consegue acompanhar o crescimento de gerações que frequentam a sua loja. “As pessoas conversam, falam com a gente. Durante a semana, às vezes, mais parecemos um consultório sentimental. Vem filha que discutiu com a mãe, namorada que terminou com namorado. Temos muita interação com o público”, comemora.

Tudo o que sabemos sobre:
DampSorveteriaSorvete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.