Perkins+Will/Reprodução
Perkins+Will/Reprodução

Solução para problema da seca pode ser transformar Los Angeles em uma esponja gigante

Especialistas buscam alternativas para salvar cada gota de água que atinge o solo

Estadão PME,

18 de fevereiro de 2015 | 07h01

A seca é um problema que atinge a cidade de Los Angeles, na Califórnia, e com a ameaça do futuro de abastecimento de água, um grupo de especialistas defende que a cidade precisa ser totalmente redesenhada para absorver toda a água que cai no solo.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

E não é só água da chuva. De acordo com o site Fast Company, a cidade também se planeja para captar a água da neve derretida das montanhas e ainda trabalha para captar mais água da chuva. A captação de mais água ajudaria a resolver outro problema gerado pela situação: o gasto de energia (grande quantidade de gás e carvão) para bombear água para Los Angeles - o que agrava ainda mais o problema.

Diante desse cenário, o Arid Lands Institute, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos da Universidade de Woodbury trabalha para transformar a cidade em uma esponja gigante, onde cada edifício e quintal faça a coleta da água da chuva em um rede descentralizada.

O instituto criou uma ferramenta que mapeia a cidade em zonas e ajuda designers e arquitetos a descobrirem como cada prédio ou casa pode otimizar a coleta de água de acordo com a zona que está localizada.

Isso porque algumas áreas podem coletar água, outras só podem armazená-la acima do solo e outras zonas só tem a indicação para enviar a água para outro lugar. Segundo o site da Fast Company, mesmo dentro de um mesmo bairro, as zonas podem mudar e a ferramenta diz para o arquiteto ou o proprietário o que ele deve fazer. É uma forma de cada projeto individual trabalhar para um bem maior e buscar maneiras de captar, tratar e reaproveitar a água.

O site da Fast Company afirma que estimativas apontam que 82% da água utilizada em Los Angeles poderia ser suprida por meio da conservação, reciclagem e captura de águas pluviais em vez de utilizar o bombeamento de água por centenas de quilômetros de outros lugares.

 

Tudo o que sabemos sobre:
secalos angelescriseáguaestadão pme

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.