Reprodução
Reprodução

Software ajuda empresários a evitar fornecedores que usam trabalho análogo à escravidão

Ferramenta possibilita pesquisar histórico de cadeias de fornecimento

Estadão PME,

19 de fevereiro de 2015 | 07h08

A escravidão retratada nos livros de história pode ter sido abolida há pelo menos 200 anos no ocidente, mas ainda hoje há aproximadamente 27 milhões escravos sendo explorados ao redor do mundo. Para o mundo dos negócios, isso significa que trabalho escravo ou análogo pode estar na fonte da cadeia de fornecedores e para os consumidores indica que, apesar das boas intenções, estão provavelmente adquirindo itens feitos a partir de trabalhos forçados.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Em um esforço para enfrentar esta realidade, a empresa de São Francisco Made in a Free World desenvolveu o FRDM -- Forced Layout Risk Determination and Mitigation --, um software que permite às empresas pesquisar o complexo comércio business-to-business e identificar áreas problemáticas na cadeia de abastecimento global de sua indústria, conforme explica o portal Springwise.

A ferramenta pode ser usada por qualquer empresa em colaboração com Made in a Free World. Os usuários informam detalhes de seus negócios e a organização os ajuda a determinar os códigos de cada um de seus fornecedores diretos e indiretos. Cada código abre dados adicionais com informações sobre avaliação de riscos, que é exibido em um painel de controle privado. O usuário pode então mergulhar em áreas de problema e receber recomendações sobre como lidar com fornecedores de alto risco -- o que pode implicar em convidar fornecedores diretos a usar a ferramenta ou confrontar uma fonte problemática sobre suas práticas.

Made in a Free World acredita que, para causar um impacto positivo em relação ao trabalho análogo à escravidão, todos os setores devem trabalhar juntos -- ou seja, as empresas precisam tornar-se mais minuciosas com seu questionamento dos fornecedores e os clientes precisam pressioná-las a fazê-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.