Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Sites organizam compra e venda de móveis e objetos de decoração usados

Plataformas ganham com as comissões e têm a logística de entrega dos objetos como desafio para o crescimento

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

17 de dezembro de 2013 | 06h42

A compra de móveis e objetos de decoração usados ganhou três plataformas especializadas no segmento. Em um intervalo de pouco mais de quatro meses, três sites entraram no ar com a mesma proposta: ser um espaço para o interessado comparar e vender produtos. Sala Sale, Market Decor e Remobile têm especialistas nas equipes que fazem a curadoria para aprovar as peças que estarão em exposição e cobram a mesma porcentagem de comissão: 20%.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

No mercado já existem sites que fazem a venda de itens usados, mas eles são abrangentes. O diferencial dessas três novas plataformas está na especialização em produtos para casa, desde sofás e mesas até obras de arte. O desafio do negócio está na logística. Por isso, compradores e vendedores podem combinar a entrega pessoalmente ou as empresas sugerem transportadoras parceiras.

O Sala Sale foi idealizado pelos irmãos Carolina, Juliana e Eduardo Amaro, quando a primeira empreendedora percebeu uma situação comum vivida por ela e conhecidos: na hora de renovar algum item da casa, é difícil encontrar uma solução a respeito do que fazer com o objeto antigo.

Eles investiram R$ 50 mil para colocar o site no ar no início de junho. Por enquanto, a atuação é apenas em São Paulo, mas os planos são expandir o serviço para o Brasil. “É um mercado interessante e estamos estimulando um consumo consciente”, afirma Juliana.

Já o site da Market Decor, com atuação nacional, entrou no ar no início de julho e foi idealizado pela arquiteta Gisele Gottardi e a designer de interiores Sabrina Cury Vasone. Com investimento inicial de R$ 250 mil, a previsão de faturamento até o fim do ano é de R$ 500 mil. O negócio surgiu por conta da área de atuação das sócias, que sempre se deparavam com o mesmo problema: o que fazer com as peças que os clientes não queriam mais?

Mas o incentivo para concretizar o negócio foi a mudança de uma amiga que precisava se desfazer de todos os objetos da casa. “Avaliamos que valia a pena trazer essa cultura de fora, de comprar coisas usadas”, diz Gisele. A arquiteta encara a entrada de outros sites na área com bons olhos.

“O mercado de decoração acabou chegando em um segundo momento. Ainda tem o preconceito de comprar produtos usados na cabeça do brasileiro por uma questão histórica. Mas a existência de três sites especializados é um bom indicativo”, completa.

O site mais recente, no ar desde outubro, é o Remobile, criado pelas arquitetas Adriana Helú, Carolina Oliveira e Marina Torre Lobo em parceria com a publicitária Fernanda Fogli. Elas investiram R$ 60 mil no negócio. “A ideia é juntar pessoas que querem vender móveis legais e quem quer ter acesso a móveis por um preço acessível”, conta Marina, que tem outra sociedade com as amigas arquitetas no escritório Triplex.

Para Sandra Turchi, professora do curso de férias da ESPM e especialista na área de marketing digital, a operação de três sites com modelos similares indica mesmo uma tendência. “O e-commerce é muito interessante para nichos. Quanto mais a gente consegue trabalhar os segmentos maior é a chance de dar certo. O consumidor não perde tempo navegando em outras coisas. Se eu quero móveis, vou no site de móveis”, diz.

O ponto de atenção está nos preços dos produtos. O cliente vai pesquisar e comparar os valores dos móveis e objetos novos. E as empresas precisam ter esse cuidado na hora de auxiliar o vendedor no momento de determinar o valor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.