Divulgação
Divulgação

Site promete devolver parte do dinheiro da compra ao consumidor

Conceito conhecido como "cashback" devolve porcentagem do valor da compra ao cliente

Estadão PME,

30 de setembro de 2011 | 23h48

Fórmulas prontas para atrair e fidelizar clientes existem aos montes. Principalmente na internet. E foi justamente rastreando todos os tipos de benefícios existentes no mercado que os empresários Israel Salmen e Ofli Guimarães conceberam o Meliuz, um portal que, segundo eles, chega ao País com um novo conceito: o comprador recebe para consumir.  Trata-se de um site que atua como buscador e comparador de preços. O diferencial: ele retorna, em dinheiro, uma porcentagem do valor da compra feita.

“Filtramos todos os tipos de benefícios e programas de fidelidade que existem no Brasil até chegarmos ao conceito do Meliuz. Nesse levantamento, percebemos que para se beneficiar o cliente tem de passar por muitos processos, o que torna o ganho dele mais demorado ”, explica Guimarães.  De acordo com os sócios, o ponto forte do negócio é remunerar o usuário de uma forma mais clara e eficiente do que os programas de fidelidade da atualidade.  “O site entrou no ar dia 12 de setembro. Em poucos dias já tínhamos 15 mil usuários cadastrados. A meta é chegar a 500 mil em um ano”, conta Salmen.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Conhecido no exterior como “cashback” (comprar e receber parte do dinheiro de volta), o conceito funciona da seguinte forma: o internauta busca o produto que deseja, compara os preços e vê o valor que poderá receber de volta se efetivada a transação. Após a confirmação da compra, ele passa a acumular o dinheiro “devolvido” e quando alcançar um valor mínimo de R$ 20 a quantia pode ser resgatada diretamente em sua conta bancária. 

De acordo com os empresários, a porcentagem da compra a ser repassada ao usuário é definida a partir da comissão que o portal recebe da loja virtual em que foi efetuada a compra. "A comissão média é de 5%. Em ofertas pontuais, algumas lojas chegam a pagar até 50% da comissão sobre o valor dos produtos ou serviços oferecidos" explica Salmen.

Para o negócio decolar, além de seduzir os internautas, os empresários também precisam firmar parcerias com segmentos diversos para aumentar o mix de produtos disponíveis no portal. “A escolha dos parceiros é feita com base na classificação da empresa no e-bit. Antes de completarmos um mês de existência já contamos com 32 contratos fechados. E o número só tende a aumentar”, diz Guimarães. 

A parceria com grandes players de e-commerce atrai os compradores e, consequentemente, podem aumentar ainda mais o número de clientes do negócio. Para Alexandre Umberti, diretor de marketing e produtos da e-bit, empresa especializada em e-commerce, as lojas virtuais de porte maior conquistam uma fatia de até 70% dos consumidores que compram pela web. “Para se destacar entre todos os concorrentes que estão na internet é necessário investir para aparecer. Marketing, redes sociais, melhor posicionamento em sites de busca, como o Google, ajudam a projetar um destaque maior e mais abrangente”, diz.

A expectativa dos empresários  é alcançar um faturamento de cerca de R$ 2 milhões no primeiro ano de atuação. "Assim como todo e-commerce , atuaremos com anúncios e publicidades no site. Nosso objetivo é repassar o máximo possível da comissão que recebemos pelas compras ao consumidor. A receita de anúncios será suficiente para manter a empresa financeiramente sólida e tecnologicamente avançada", finaliza Ofli Guimarães.

::: LEIA TAMBÉM ::

:: Nova classe média descobre as compras virtuais ::

:: Saiba como ganhar clientes e popularidade com as mídias sociais ::

:: Saiba como prevenir sua loja virtual contra ataques e fraudes ::

:: Oportunidades para atender viciados em compras coletivas ::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.