Alex Silva/Estadão - 07/10/2021
Lela Brandão inaugurou loja física em novembro de 2021, pouco mais de um ano após começar o negócio online. Alex Silva/Estadão - 07/10/2021

Site e loja física são complementares; confira 6 dicas para cuidar dos dois

Especialista orienta como empreendedores devem cuidar dos canais de seu negócio, sem negligenciar o cliente

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2022 | 05h00

Ao abrir uma loja física, o empreendedor não pode negligenciar o virtual. O consumidor é multicanal, ou seja, compra nos dois espaços. Gabriela Miranda apostou nisso e até investiu mais na imagem online da Pudim Terapia, que criou no ano passado: fez fotos profissionais para o perfil no Instagram e registrou o estabelecimento físico, aberto este ano, no Google. Segundo ela, isso deu ainda mais visibilidade à marca. “As pessoas avaliam muito lá, acho que é tudo ligado.”

Lela Brandão, dona de um empreendimento de moda confortável, conta que foi fácil traduzir as características da marca nativa digital para o mundo físico, uma vez que estava tudo evidente para os sócios. Prova disso é que as pessoas que conhecem a Lela Brandão Co. dizem que entrar na loja é como entrar nas redes sociais dela.

“O atendimento, a estética da loja e tudo o que envolve nosso espaço foi pensado nas bases do nosso branding e do que a gente acredita. Conseguimos trazer muitos elementos da nossa identidade visual e das nossas crenças enquanto marca para a loja, com ambientes mega instagramáveis de um jeito que fica quase impossível sair de lá sem postar uma foto”, brinca. Ela considera que a experiência como criadora de conteúdo e arquiteta ajudou a fazer essa integração.

Allan Hagemeyer, CEO da Multi.etc e especialista em gestão estratégica de negócios e transformação digital, diz ser importante encarar o negócio como única vertical, tendo o consumidor como foco, não o tipo de canal. “Tudo bem um vender mais que o outro, desde que tenha olhar único, porque, no final do dia, vai ser sobre o que o cliente entende que é bom e isso tudo faz com que ele esteja próximo da marca.” 

Ao pensar em promoções, por exemplo, ele orienta ter equilíbrio e não concorrer um com o outro. “Se vou fazer promoção exclusiva no online, é importante que a loja comunique bem isso e ajude o consumidor, mesmo dentro da loja”, afirma. Hagemeyer e os empreendedores consultados na reportagem dão dicas para quem quer abrir a loja física depois de consolidar a marca no online.

Confira 6 dicas práticas

1. Tenha uma reserva financeira: uma vez que Gabriela não dependia apenas da Pudim Terapia para se manter, pois já tinha uma empresa de comunicação, ela poupou todo o faturamento líquido da loja online. O valor serviu depois para investir na reforma do espaço físico e na compra dos equipamentos profissionais. Para quem pode, ela indica ficar o máximo de tempo possível no online para juntar esse dinheiro e aportá-lo no estabelecimento. 

2. Busque ajuda profissional: Gabriela contou com a ajuda de uma amiga que também empreende para fazer a precificação dos produtos, tópico que ela não dominava. Os donos da Caritó Padaria Artesanal recorreram ao Sebrae depois que a loja física foi aberta para estudar mais sobre como administrar o negócio e estar em dia com legislação e vigilância sanitária. Gabriel Dias e Gabriel Rodrigues indicam ter boas noções de marketing, criação de conteúdo e comunicação visual para fortalecer a marca. 

Allan Hagemeyer também recomenda buscar um especialista principalmente no momento de escolher o ponto físico. “Se a pessoa já entende a questão de locação, acredito que possa fazer sozinha, mas se conhece muito de produto e marca e tem dificuldade com parte financeira, é melhor buscar um consultor”, diz. Ele indica empresas especializadas em dados de geolocalização e geomarketing, que contribuem para a escolha do local com base nos interesses do consumidor da região.

3. Estude seu público: Lela considera importante analisar bem o público para entender a localização que faz mais sentido para o espaço físico, estudar o fluxo de pessoas no local e só abrir a loja quando souber que a equipe está preparada para atender ao vivo.

4. Esteja alinhado com o atendimento: A CEO da Lela Brandão Co. também recomenda conversar bastante com a equipe de atendimento da loja para que entenda o universo da marca, no que acredita e o mais importante: no que não acredita. “Um vendedor e o espaço físico representam o primeiro contato no mundo real com a sua marca para um cliente, como uma personificação da marca, e essa experiência pode ficar para sempre na memória dele, para o bem ou para o mal”, destaca.

5. Planeje estoque e logística: Ter a loja online ajudou Lela a manejar melhor o espaço físico. “Nosso escritório fica bem próximo à loja, o manejo do estoque e logística foi bastante simplificado por essa proximidade. Temos o estoque unificado no sistema, com um ponto de venda dentro da própria plataforma, o que deixou a operação mais simples”, diz.

O especialista aprova a unificação do estoque e diz que há sistemas variados, para todos os portes e bolsos, que ajudam a integrar os dois canais e fazer uma logística adequada, seja para o consumidor retirar no local ou seja para o site fazer entrega mais rápida.

6. Considere outros canais: Hagemeyer comenta que, a depender da marca e do e-commerce, é interessante pensar, além do atendimento presencial, em modelo de franquia e sistema de afiliados, estratégia que torna-se uma extensão da venda online e pode ser um passo antes da abertura física.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Loja física amplia oportunidade de pequenos negócios digitais nascidos na pandemia

Agregar espaço físico à marca online demanda sinergia, pois canais são complementares e devem ser encarados com olhar único; veja dicas para investir no atendimento presencial

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2022 | 05h01

Para quem investiu no próprio negócio em 2020, com venda de produtos, não havia outra opção senão o comércio online. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, mais de 150 mil lojas virtuais foram abertas desde o início do isolamento social. Embora o digital tenha se consolidado e mostrado importância, o espaço físico ainda tem seu valor e pode agregar ao crescimento de micro e pequenas empresas.

“O online, por mais que tenha novos entrantes, ainda é uma compra muito mais de recorrência, de algo que a pessoa já tomou decisão. O físico contribui muito com a parte do impulso, da pessoa passar pela loja e comprar. É uma compra de oportunidade”, diz Allan Hagemeyer, CEO da Multi.etc e especialista em gestão estratégica de negócios e transformação digital.

Segundo ele, a presença online é como um teste de mercado para validar o negócio, além de ter baixo custo. É nesse espaço que o empreendedor vai conhecer o potencial da marca e reunir dados relevantes — como produto mais vendido e perfil do consumidor — para decidir o próximo passo. “Quando tiver maturação dos dados, das informações, é um bom momento para entrar no físico para somar com o digital, pois são canais complementares”, ressalta.

Hagemeyer afirma que, falando de varejo, o crescimento de uma marca deve alcançar o potencial máximo com a presença física, algo que os donos da Caritó Padaria Artesanal vêm sentindo nos últimos meses. O casal Gabriel Rodrigues e Gabriel Dias inaugurou a loja na Bela Vista em julho, um ano após iniciar o negócio de forma online em 2020. Desde então, o faturamento triplicou.

“A loja conseguiu aumentar as pessoas que são impactadas, pessoas mais velhas que não comprariam pela internet. E como estamos na região da Paulista, é fácil entrar no roteiro das pessoas”, afirma Rodrigues. “Também trouxe comodidade aos clientes. Antes, a gente trabalhava com encomendas, agora abriu loja em aplicativo, viu como funciona, tem mais agilidade”, completa Dias. E as entregas, que ocorriam duas vezes na semana, passaram para cinco.

Ter um estabelecimento gastronômico era um sonho antigo deles, mas não imaginavam que aconteceria logo. Foram poucos meses entre começar a cozinhar em casa para consumo próprio até entender que poderia virar um negócio. O estalo veio da demanda de amigos que queriam provar os pães que publicavam nas redes sociais.

Após começar a vender, a cozinha de casa tornou-se pequena para a grande quantidade de pedidos. Foi quando decidiram alugar uma casa, mas ainda sem o pensamento da loja. “A ideia era continuar online, mas as pessoas pediam mais para pronta entrega”, conta Rodrigues. Dias comenta que eles fizeram uma transição segura, onde o local, um sobrado, serviria para morar também, e logo o dono do imóvel sugeriu que ali poderia ter um espaço de vendas.

Como escolher o local

Gabriela Miranda, que no ano passado deu início à venda de pudins pela internet, também abriu um espaço físico neste ano pela necessidade de uma cozinha maior. Ela contou com o auxílio de uma imobiliária para encontrar um local adequado, que fosse bem iluminado, arejado e perto de onde mora. A loja não estava nos planos iniciais da Pudim Terapia e tem um ambiente pequeno para receber clientes, mas ela vê as vantagens.

“Embora a internet dê visibilidade, o espaço físico dá mais. Antes, eu divulgava no meu condomínio e contava nos dedos da mão quem comprava. Hoje, com loja, tem gente do condomínio da frente que vem comprar”, comenta, citando também o aumento das vendas. Ela percebe que agora tem mais credibilidade, mas existe o desafio de provar o valor agregado do produto. “O pudim vai na forma de alumínio, algumas pessoas pedem sem, mas eu não vendo só o pudim, vendo a experiência de desenformar, aquela expectativa de saber se vai sair certo.”

Na hora de abrir a loja física, o especialista Allan Hagemeyer orienta considerar o preço do aluguel, principalmente agora na pandemia, em que o IGP-M fez subir o valor de locação. “Se vai para um ponto onde o custo de aluguel é muito alto, às vezes desacelera e impede o crescimento da empresa ou não consegue manter aberta.” Ele comenta que um ponto na rua pode ser uma opção mais barata.

A empreendedora Lela Brandão, CEO da marca homônima de moda confortável, conta que clientes já perguntavam sobre um espaço físico para poderem experimentar as peças. A ideia saiu do papel quando ela encontrou, por acaso, um imóvel onde poderia concretizá-la. “Meu sócio, Viktor, foi bem firme ao confirmar que estávamos prontos financeiramente. Muito rapidamente alinhamos as burocracias e em um pouco mais de um mês abrimos nosso espaço”, conta.

Hagemeyer comenta que, além do apelo de provar o produto, os negócios de alimentação e moda demandam a interação humana, que não será substituída pela interação online. “Na loja, o consumidor precisa ser entendido, compreendido, receber atendimento mais consultivo.”

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.