Reprodução
Reprodução

Sistema permite a qualquer veículo andar sem a ajuda do motorista e concorre com o Google

Tecnologia sai por US$ 10 mil e tem recursos mais limitados que da gigante norte-americana

Estadão PME,

22 de agosto de 2014 | 07h00

Tudo indica que os carros automáticos, esses que vão para lá e para cá sozinhos, sem um condutor devidamente instalado no controle da direção, representam a próxima grande conquista da tecnologia aplicada ao universo quatro rodas. O gigante Google tem divulgado seus estudos a esses respeito. E, numa escala um pouco mais modesta, uma startup da Califórnia (vizinha ao Google, portanto), acaba de lançar um produto para o nicho.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O nome da empresa em questão é a Cruise Automation (ou apenas Cruise, para fins de simplificação). A startup desenvolveu um sistema que emprega sensores, atuadores e um microcomputador, tudo instalado dentro do carro e, que, se não é capaz de tomar todas as decisões de condução como faz o modelo beta do Google, possibilita alguns confortos para o motorista - como o prazer de esticar as pernas e cruzar os braços em uma estrada tranquila, por exemplo.

De fato, a tecnologia da Cruise ajuda seu veículo a se manter dentro da faixa, cuida do tráfico e freia o veículo caso ele se aproxime perigosamente da traseira de outro. Mas o motorista ainda deve agir em caso de mudanças de faixas e na tomada de rota desejada.

A empresa, que por hora tem venda liberada para apenas 50 veículos, denomina sua tecnologia como um Sistema Assistente Avançado de Direção, ou ADAS na sigla em inglês. O preço do sistema é US$ 10 mil e só funciona com veículos da marca Audi e nos modelos A4 e S4. É uma cifra considerável, mas bem abaixo das divulgadas pelo Google, já que a comparação é inevitável. O modelo da gigante norte-americana opera apenas em veículos Lexus e sai por cerca de US$ 70 mil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.