Vinicius trouxe máquinas da Itália
Vinicius trouxe máquinas da Itália

Sistema de reciclagem ganha corpo na construção

Recinert observou uma oportunidade a partir do material descartado pelas empreiteiras

Bruno de Oliveira, especial para O Estado,

05 de agosto de 2015 | 07h03

O mercado brasileiro da construção civil vivenciou um momento de alta por conta do aquecimento da economia e do incentivo público no setor. Nesta época, a alta demanda fez com que pequenos negócios que já atuavam na área registrassem crescimento acelerado. Permitiu também que novas empresas, com propostas inovadoras, ganhassem espaço.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Foi o caso da Recinert Ambientale, que observou uma oportunidade de negócio a partir do material descartado pelas empreiteiras. Com um maquinário importado da Itália, o empreendedor Vinicius Buso e seu pai, Egidio, criaram uma estrutura capaz da transformar restos de concreto provenientes de demolições e desmonte de rochas em brita, subproduto valioso na construção.

A aposta no conceito por trás do serviço da Recinert, amplamente difundido em países da Europa e nos Estados Unidos, rendeu a empresa o 4º Prêmio Estadão PME na categoria Sustentabilidade Empresarial.

O negócio surgiu em 2006, depois de os empreendedores receberem uma visita de parentes da Itália, que ao verem o número de obras em andamento na cidade, comentaram sobre empresas europeias que se especializaram na reutilização de materiais de construção. 

:: Leia também ::

Curitibana Beenoculus aposta na realidade aumentada

Uma inovação não precisa ser apenas na área tecnológica

Aplicativo tira o cliente da espera telefônica

Nada como estar no lugar certo

Ambição sadia deve ser busca incansável

Segundo Vinicius, o diferencial da Recinert está em fazer muito com uma estrutura reduzida – por meio de uma usina móvel e dois operadores, a empresa consegue prover redução de custos com transporte e descarte dos resíduos, baratear o preço de aquisição da brita, além de menor consumo de CO2 pela cadeia produtiva. “Nossa missão é difundir cada vez mais a ideia entre as construtoras de que reciclar o material que seria descartável é mais sustentável e menos oneroso.”

Também concorreram na categoria as empresas Brasil Aromáticos e Bioideias. A primeira se destacou por criar cosméticos livres de compostos químicos poluentes em sua composição. “Um de nossos maiores objetivos é crescer no mercado com essa aposta nos produtos que não agridem o meio ambiente”, disse Raquel da Cruz, fundadora da Brasil Aromáticos. A Bioideias, por sua vez, lançou no mercado o telhado verde, tecnologia que trata o resíduo orgânico gerado em adubo rico em nutrientes.

:: Finalistas ::

Reciclar: Recinert Ambientale já ganhou espaço no mercado com a proposta de reciclar material normalmente descartado pelas empreiteiras. 

Criar: Brasil Aromáticos chama atenção por conta dos cosméticos desenvolvidos sem o uso de compostos químicos em sua fórmula de composição.

Conceito: Também finalista, a Bioideias, por sua vez, lançou a proposta de criação de uma tecnologia nomeada pela empresa como telhado verde.

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio Estadão PME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.