Netflix
Netflix

Série retrata empreendedora negra que ficou milionária com negócio para cabelos

Para bisneta da americana Madam C.J. Walker, cujo livro inspirou minissérie da Netflix, riqueza e influência foram usadas para ajudar comunidade negra e mulheres

Letícia Ginak, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 16h11

Se Madam C.J. Walker tivesse nascido neste século, sua história estaria facilmente registrada com uma manchete que seguiria a linha: "Após sofrer com doença capilar, mulher cria empresa de cosméticos para cabelo e fatura US$ 1 milhão". O feito, nos dias de hoje, já seria admirável. Mas imagine que a empreendedora afroamericana conquistou essa reputação no início do século 20, com o começo de sua jornada como empresária da indústria da beleza na primeira década de 1900.

A incrível trajetória de sucesso de Sarah Breedlove - seu nome de registro - já ganhou as páginas do Guinness Book como a primeira mulher afroamericana a ficar milionária por conta própria (sem herança ou patrimônio do marido) e acaba de se tornar uma minissérie da Netflix: A vida e a História de Madam C.J. Walker, protagonizada por Octavia Spencer. 

Em entrevista ao Estadão PME,  A’Lelia Bundles, bisneta de C.J. Walker e autora do livro Self Made, que inspirou a série da Netflix, resume a grandeza e o legado da empreendedora. “Ela sabia que simplesmente vender produtos e acumular uma fortuna não eram suficientes. Ela usou sua riqueza e influência para ajudar sua comunidade como filantropa, patrona das artes e ativista política que apoiou o sufrágio feminino e o movimento anti-linchamento. C.J. Walker também criou riqueza geracional para famílias afroamericanas, porque seus agentes puderam comprar casas, investir em imóveis e educar seus filhos. Isso foi particularmente importante no momento em que as mulheres negras tinham muito poucas oportunidades, a não ser como trabalhadoras rurais, empregadas domésticas, criadas, cozinheiras e lavadeiras”, disse ela.

Filha de pais escravos, ainda criança, C.J. Walker trabalhou em plantações de algodão no Delta, em Louisiana. Casou-se pela primeira vez aos 14 anos e teve sua única filha, Lelia. Após a morte do marido, mudou-se para St. Louis e começou a trabalhar como lavadeira, recebendo cerca de US$ 1,50 por dia. Foi justamente nesse período que Sarah adquiriu uma doença no couro cabeludo que quase a deixou sem nenhum fio de cabelo.

“Cabelo é poder”, diz a personagem de Octavia no primeiro de quatro episódios da série. E foi assim que C.J. Walker começou uma verdadeira revolução. Formou um exército de mulheres que seriam as responsáveis por vender seus produtos pelos Estados Unidos. “Ela sabia o quanto era importante anunciar, comercializar e treinar uma forte força de vendas. Ela tinha um talento especial para identificar líderes, que se tornariam seus agentes de vendas, e recrutar uma equipe executiva talentosa”, conta A’Lelia. 

O começo 

Foi como revendedora dos produtos capilares criados por Annie Malone, outra notável empreendedora negra, que C.J. Walker começa sua trajetória na indústria da beleza. Infelizmente, a série da Netflix não retrata a relação de C.J. e Annie. Pelo contrário. Na história, a personagem fictícia Addie Monroe é a principal rival de C.J. e as duas protagonizam episódios de rivalidade prejudicial aos negócios de ambas. Na vida real, Addie e C.J. trabalharam juntas e cravaram seus nomes de forma positiva como mulheres empreendedoras à frente de seu tempo. 

Em 1905, C.J. se mudou para Denver para atuar como revendedora dos produtos de Addie. Foi na cidade que ela conheceu seu terceiro marido, o jornalista Charles Joseph Walker, que deu origem ao nome Madame C.J. Walker. 

Não há informações precisas sobre a transição de revendedora para dona da própria marca. De acordo com os registros oficiais, em 1910, C.J. Walker já havia percorrido todo o sul e sudeste negro dos Estados Unidos vendendo o  Wonderful Hair Grower, uma fórmula de condicionamento e cura do couro cabeludo.

Ela reunia mulheres em igrejas para demonstrar seus produtos e também os vendia de porta em porta. Além de uma fábrica para produzir a linha de cosméticos, ela criou uma escola de beleza e uma rede de salões, que espalharam o tratamento capilar criado por ela. Esses eram os negócios da Madam C.J. Walker Manufacturing Company.

Empreendedora por natureza 

Com dom natural para o marketing, além de levar seu nome, os rótulos dos produtos estampavam sua imagem. Na série da Netflix, o marido de C.J. Walker cria uma campanha publicitária para a rede de salões que ela está prestes a abrir. A ‘Garota Walker’ era o retrato de uma jovem negra magra e com traços finos, que nada representava a imagem da própria criadora.

C.J. Walker, na série, primeiro se abala com a possibilidade de vender a imagem proposta pelo marido. Depois, a rejeita e estampa seu rosto nos produtos. Não sabemos se na vida real isso aconteceu. Mas sabemos da convicção da empreendedora em apostar na beleza real e body positive, conceitos que são largamente utilizados na publicidade atualmente. 

Para A’Lelia, C.J. Walker sabia que o marketing era essencial nos negócios. “Madam Walker estava muito à frente de seu tempo em suas estratégias de marketing. Ela viajou bastante e ilustrou suas palestras usando um dispositivo chamado estereóptico, semelhante às apresentações de PowerPoint de hoje. Muito antes da televisão ou dos computadores, ela conseguiu atrair grandes audiências enquanto viajava de cidade em cidade. Ela fez propaganda extensivamente em dezenas de jornais, tenho certeza de que ela teria aproveitado todas as plataformas de mídia social.” 

Para ganhar escala, C.J. construiu a própria fábrica, em Indianápolis, conhecida região industrial do país na época. A incansável busca de C.J. Walker por investidores para colocar a fábrica de pé é comovente e ainda atual. Nos episódios que retratam a aproximação dela com empresários negros notáveis da época, a negativa sobre o investimento vinha em forma de machismo. “Seu produto é fútil”, diz um empresário. “Mulheres não podem ser mais importantes do que seus maridos”, diz outro.

Para entender se algo mudou com a passagem do tempo, perguntei para A’Lelia Bundles, sua bisneta, quais seriam as dificuldades que C.J. Walker enfrentaria para abrir seu negócio hoje. “Ela enfrentaria alguns dos mesmos desafios que enfrentou em 1906, mas também teria ferramentas de marketing e distribuição que não estavam disponíveis para ela na época. Os valores e estratégias trabalhados por ela há um século ainda são relevantes. Uma das chaves do sucesso era ter um produto de alta qualidade que realmente funcionasse. Hoje, acho que Madame Walker ficaria emocionada ao ver tantas empresas pertencentes a mulheres e tantas CEOs, mas também acho que ela ficaria frustrada com o fato de as empresas pertencentes a mulheres receberem menos de 3% do capital de risco”

Em 1917, C.J. realizou sua primeira convenção de agentes de vendas da Madam C.J. Walker Manufacturing Company. “Foi uma das primeiras reuniões de mulheres empresárias. Posso imaginá-la realizando grandes convenções, como algumas das conferências femininas que vemos hoje”, ressalta A’Lelia. 

Madam C.J. Walker morreu em 1919, aos 51 anos. No ano de sua morte, seus bens tinham valor estimado entre US$ 600 mil e US$ 700 mil (equivalente a, aproximadamente, US$ 8,9 milhões ou US $ 10,4 milhões em 2020, de acordo com seu site oficial). A combinação de seus bens pessoais e o valor de seus negócios superou US$ 1 milhão (equivalente a US$ 14,9 milhões em 2020). A Madam C.J. Walker Manufacturing Company encerrou as atividades em 1981. Hoje, os produtos da marca Madam C.J. Walker são vendidos exclusivamente pela empresa Sephora.

Tudo o que sabemos sobre:
empreendedorismocosméticocabelo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.