Centro de Formação: Senai é a melhor da pesquisa

Centro de Formação: Senai é a melhor da pesquisa

Instituição de ensino conquistou 95 pontos no índice de satisfação deste ano

Redação, O Estado de São Paulo

29 de agosto de 2019 | 20h16

A exigência por uma capacitação qualificada aumenta a cada ano, como mostra o Escolha PME 2019. Setenta e cinco por cento dos entrevistados desta edição priorizam o serviço como critério de escolha quando vão buscar um centro de formação profissional. E quem se destacou neste ano, na opinião das PMEs, foi o Senai. A instituição cresceu no índice de satisfação, com 95 pontos, e é a fornecedora mais bem avaliada de toda a pesquisa.

Confira o especial multimídia com os vencedores do Escolha PME 2019

Para o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, o resultado mostra o grau de eficiência da instituição. “Muitas dessas PMEs enxergam o Senai como seu grande parceiro tanto na área de formação profissional quanto na de assessoria técnica, porque nós estudamos e estruturamos as priorizações das necessidades dessas empresas”, avalia Lucchesi. Sebrae e Senac completam o índice de satisfação, com 74 e 69 pontos, respectivamente, e aparecem como objeto de desejo ao lado da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Objetivo é antecipar mudanças

Em atuação há 77 anos, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) trabalha com o Mapa do Trabalho Industrial e Observatórios da Indústria para desenvolver e oferecer serviços. O primeiro consegue identificar a movimentação do emprego na indústria, enquanto o segundo avalia as necessidades de cada setor. De acordo com o diretor-geral da instituição, Rafael Lucchesi, essa metodologia permite que o Senai qualifique profissionais para o futuro.

“Sabemos quais as competências de cada uma das carreiras que os 28 setores precisam. Não esperamos a construção civil ou a indústria petroquímica. Nós formamos profissionais que antecipam essas mudanças”, explica.

A instituição destaca ainda o trabalho com assessoria técnica, que inclui a criação de soluções tecnológicas, por meio de pesquisa e inovação, que podem ser aplicadas nas pequenas e médias empresas. “Nós temos 1.000 unidades operacionais atendendo mais de 2.700 municípios brasileiros. É um grande alcance e uma elevada coordenação no sentido de propiciar às empresas as competências técnicas, tecnológicas e educacionais que o mercado requer”, diz Lucchesi.

Capacitação para superar a crise

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) procura pensar no dia a dia do empresário, ainda mais em tempos de crise, para montar o seu portfólio. Vice-líder em satisfação, a instituição busca ensinar soluções simples para tornar as PMEs mais relevantes.

“Nossos serviços costumam ser de grande aplicabilidade para o empreendedor, pois estamos falando de negócios que têm uma estrutura muito simples. Esse público precisa de soluções imediatas para as demandas que surgem na gestão de um empreendimento. Toda a grade de cursos para esse empreendedor é focada em dinâmicas do dia a dia”, explica Ênio Pinto, gerente de Relacionamento com o cliente do Sebrae.

Em terceiro lugar, o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) entende que há uma conscientização dos empreendedores sobre a necessidade de qualificação. Desde o ano passado, o Senac oferece descontos para entidades vinculadas ao Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, através de acordo de cooperação técnica com a secretaria especial da micro e pequena empresa do governo federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.