Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

São Paulo notifica empresas com receita acima do teto

Segunda etapa de programa estadual vai acionar, a partir desta quinta-feira (6), 241 empreendedores com receita incompatível com Simples Nacional; multa e até exclusão estão previstos

Letícia Ginak, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2019 | 13h11

O Governo de São Paulo dá início, nesta quinta-feira (6), à segunda etapa do programa Concorrência Leal do Simples Nacional. O objetivo é notificar empresas que ultrapassaram e não declararam receita bruta anual compatível com o regime entre 2014 e 2017, período em que o teto do pequeno empreendedor era de R$ 3,6 milhões anuais. 

Na primeira fase do programa, que ocorreu em setembro de 2018, as empresas receberam notificações sobre a discrepância nos valores (estabelecidos por meio de cruzamento de dados feito pelo Fisco paulista) e tiveram um prazo de 30 dias para se regularizarem. Apenas 10% dos 700 notificados fizeram a regularização, segundo a Secretaria Estadual da Fazenda e Planejamento.

Nesta quinta-feira (6), 241 empresas serão notificadas em todo o Estado (somando um valor de cobrança de R$ 811 milhões) e terão de cinco a sete dias úteis para apresentar documentação necessária, caso não concordem com o Fisco. Multas e até a exclusão da empresa do regime do Simples serão aplicadas nesta fase, com notificações periódicas até meados de agosto.

“É a primeira vez que estamos fazendo o programa dessa forma, com a abordagem da autorregularização. Pretendemos ter uma atuação do Fisco mais orientadora e menos punitiva”, afirma a supervisora de fiscalização do Simples Nacional,  Vanessa Marques Batista.

O programa também abriu uma frente para também notificar microempreendedores (MEIs) atuantes no e-commerce (o chamado MEI.com). A primeira etapa, para a autorregularização, foi iniciada no dia 30 de maio, com o envio de notificação para 201 microempreendedores que ultrapassaram a receita bruta anual de R$ 81 mil, no período de 2015 a 2019. 

Dados fornecidos por prestadores de serviço de intermediação comercial (como Mercado Livre, PagSeguro, Submarino e Amazon) foram objeto de análise do Fisco e ajudaram na análise que detectou os MEIs com irregularidades.

“O motivo principal para escolhermos fazer o programa apenas com os MEIs atuantes em e-commerce é que a modalidade é um tipo de contribuinte que quase não tem obrigações fiscais. Constatamos então que muitos estão utilizando este ambiente virtual para burlar a legislação com um faturamento maior ou para trabalhar com mercadorias falsificadas. Encontramos MEIs que faturaram R$ 2,6 milhões por ano”, diz Vanessa. 

Tetos do faturamento

Entenda os tetos de faturamento bruto anual em que o pequeno empreendedor pode atuar.

MEI: microempreendedor individual optante pelo Simples Nacional. Neste regime, a receita bruta anual é de até R$ 81 mil (eram R$ 60 mil).

ME: microempresa com receita bruta anual igual ou inferior a R$ 360 mil. Para formalização é necessário optar entre uma das formas de tributação (Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido) e realizar o registro em uma Junta Comercial. 

EPP: empresa de pequeno porte com receita anual bruta igual ou inferior a R$ 4,8 milhões (eram R$ 3,6 milhões). O titular de uma EPP também deve formalizar o negócio em uma Junta Comercial, optando por um dos regimes tributários (Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.