Reprodução
Reprodução

Robô distrai crianças e reduz medo de tomar injeção

Pesquisadores afirmam que a interação com a máquina reduz a reação contrária do paciente no tratamento e na recuperação

ESTADÃO PME,

16 de agosto de 2013 | 06h42

O Hospital Alberta Children’s, no Canadá, introduziu em sua rotina um robô que distrai crianças durante a realização de exames e procedimentos desconfortáveis, incluindo a vacinação contra a gripe. A máquina também tem se mostrado eficiente para ajudar na recuperação dos pacientes.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

Segundo o site Springwise, o robô MEDi é baseado na máquina NAO da Aldebaran Robotics e pode custar US$ 15 mil. Ele interage com as pessoas de várias formas, contribuindo para minimizar o medo de tomar vacinas ou fazer check-ups. Também é possível programá-lo para fornecer informações de saúde às crianças por meio de um vocabulário que elas entendem.

O robô cumprimenta as crianças, pergunta quais são os filmes que elas mais gostam e os seus jogos favoritos, além de tocar músicas que elas pedem. MEDi também realiza atividades simples, como organizar brinquedos em uma mesa.

Pesquisadores da Universidade de Calgary fizeram testes com crianças de 4 anos a 9 anos que, anteriormente, haviam reagido mal às agulhas. Eles pediram a elas para limparem o pó de um pato de brinquedo em cima da mesa, apenas soprando. Por estarem distraídas com a atividade, os especialistas afirmaram que a atividade contribuiu para diminuir a reação dos pacientes contra injeções. Elas e até mesmo os seus pais ficaram mais relaxados. A expectativa é que o robô também traga esse tipo de resultado.

Os responsáveis pelo trabalho de MEDi pretendem testá-lo em outras situações, como em exames de sangue, que, segundo a equipe, podem ser ainda mais amedrontadores para pacientes jovens. Os desenvolvedores do robô esperam adicionar mais recursos à máquina, como a capacidade de contar piadas e histórias, e interagir de forma individual, de acordo com reconhecimento facial de cada paciente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.