Marco Torelli
Marco Torelli

Responsabilidade social é oportunidade para startups

Atuação auxilia grandes empresas a cumprir exigências legais, como a contratação de pessoas com deficiência

Erica Carnevalli, especial para, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2018 | 06h00

Possibilitar que grandes empresas atendam aos requisitos exigidos por leis de responsabilidade social é um campo de atuação escolhido por startups de todo o País. É o caso da Egalité. Fundada em 2010, ela tem como pilar a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. A Lei de Cotas (8.213/91) determina a presença de 2% a 5% de colaboradores nessa situação em companhias com mais de 100 funcionários. 

A Egalité faz a ponte entre o profissional que procura uma posição e as empresas, reunindo em um mesmo banco de dados mais de 50 mil currículos e vagas de 70 grandes corporações, como a Telefônica e o McDonald’s. 

Para o professor de empreendedorismo e inovação do Insper, Marcelo Nakagawa, a exigência por responsabilidade social dentro das organizações não vem apenas das leis, mas também da população, que procura cada vez mais empresas confiáveis e comprometidas com a sociedade, configurando, assim, um mercado promissor. 

Atuação. Guilherme Braga, fundador e CEO da Egalité, teve a ideia de criar o negócio ainda quando cursava o ensino médio, depois de participar de um intercâmbio nos Estados Unidos. Lá, conviveu com colegas com deficiência, identificando um cenário mais diverso do que a realidade brasileira. 

“A inclusão produz excelentes resultados para as organizações. Por isso, não olhamos só para o recrutamento e seleção, mas também atuamos na capacitação dos profissionais e da própria empresa, por meio de consultorias técnicas em acessibilidade, workshops e palestras”, afirma. 

Os efeitos positivos do olhar voltado para a responsabilidade social podem ser notados nas duas pontas. Para as startups, é uma forma de ampliar e ganhar escala e, para as empresas, há ganho em rapidez e efetividade ao implementar as práticas. Nakagawa ainda acredita que startups com atuação neste segmento têm vantagem competitiva no mercado. 

“As startups que trabalham com a questão do propósito atraem novos talentos, fecham parcerias e são percebidas pelo mercado como uma empresa do bem”, diz o professor.

Para Ana Lucia Custodio, diretora adjunta do Instituto Ethos, organização social que atua há 20 anos com responsabilidade social, muitas corporações deixaram de encarar o tema apenas como um simples cumprimento de lei. 

“As empresas estão vendo que um ambiente mais diverso retém talentos e ainda favorece a inovação. Não é só mais um custo que a empresa terá”,destaca a executiva. 

No entanto, Ana Lucia alerta para a importância de a empresa estar disposta a incorporar as práticas. “As startups fazem o ‘casamento’ da corporação com essas políticas de responsabilidade social. Mas a empresa precisa expandir esses valores em sua rede”, finaliza. 

Com mais de 6 mil candidatos recrutados em 16 Estados, Braga, da Egalité, espera crescer 20% até o final do ano. 

“Quando começamos, o cenário consistia na visão assistencialista e focava em só tirar um problema da frente. Nós transformamos essa dor em uma grande oportunidade”, diz. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.