Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Responder e-mails de trabalho no smartphone antes de dormir faz mal à saúde

Dois estudos recém divulgados mostram que atitude está ligada a distúrbios de sono

Estadão PME,

30 de janeiro de 2014 | 17h15

 Numa época em que smartphones entregam a promessa de não fazer você desligar nunca do seu trabalho, dois novos estudos mostram como isso pode ser na verdade uma atitude prejudicial. Responder e-mails depois das 21h pode fazer com que você durma mal, e por isso chegue ao trabalho menos descansado, alerta e focado do que deveria.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O primeiro estudo, feito por pesquisadores das universidades da Flórida, Michigan e Washington, mostra que executivos e gerentes que usam smartphones durante a noite tendem a ficar mais irritadiços e menos focados no dia seguinte. O segundo estudo, feito pelo mesmo grupo de pesquisadores, observou trabalhadores de diferentes categorias, e chegou a resultados semelhantes.

Os cientistas criaram alguma hipóteses. Uma delas imagina que exista um 'reservatório de atenção' que cada um tem disponível por dia. Se ele acaba, a pessoa precisa de tempo livre para recarregar suas baterias. Se isso não acontecer, ela se torna menos atenta e alerta.

A segunda teoria defende que os smartphones foram 'desenhados para atrapalhar o sono'. Muitos dormem com seus celulares por perto, então suas luzes e sons interferem de maneira negativa com a nossa capacidade de atingir o sono profundo.

Os pesquisadores lembram que alguns estudos recentes ligam a falta de sono de qualidade à comportamentos antiéticos. Isso porque a falta de sono contribui para diminuir os níveis de glicose e as taxas de metabolismo no córtex pré-frontal do cérebro, uma área ligada ao autocontrole.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.