Estadão
Estadão

Renegociar o contrato de aluguel ou mudar de ponto?

Especialistas indicam como pequenas empresas devem avaliar a mudança de endereço

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2017 | 11h30

O cenário econômico do Brasil não é animador. Os altos índices de desemprego e de inadimplência estão obrigando os brasileiros a se reinventarem. Diminuir despesas virou regra de sobrevivência não só para o consumidor, mas também para muitas empresas. Os pequenos negócios não estão livres, também, dessa realidade. Para manter o funcionamento, muitos estão precisando rever custos para não fecharem as portas.

 O mercado imobiliário sofre profundamente com isso. Basta olhar com atenção para perceber o grande número de imóveis disponíveis para compra e venda. “O estoque é muito grande. E pode reservar algumas surpresas para quem está pensando em diminuir os custos com aluguel do ponto”, explica Adriano Augusto Campos, consultor do Sebrae-SP.

“Este é um excelente momento para renegociar contratos”, diz João Carlos Natal, também consultor do Sebrae-SP. De acordo com o especialista, além de ser uma alternativa atrativa para uma pequena empresa que está precisando se reestruturar financeiramente, pode também ser a entrada de um fôlego novo. Porém, antes de começar a avaliar a mudança de endereço, é necessário estar atento as cláusulas do contrato já estabelecido.  “O ideal é fazer uma pesquisa detalhada de imóveis cerca de 30, 60 dias antes do prazo de encerramento (do contrato), para evitar multas”, alerta Natal.

A mudança de endereço nunca deve ser feita numa tomada de decisão emocional. Antes. o empresário precisa entender das necessidades do negócio, nas implicações e custos. “Não é porque os vizinhos estão fechando as portas que ele deve pensar em sair de onde está. A realidade do outro quase nunca é a mesma que a sua”, pondera Campos. 

Segundo o especialista, uma medida eficaz e que pode trazer algum benefício é uma simples conversa com o proprietário do imóvel. Em paralelo, pode-se fazer pesquisas de outros pontos, mas para ter argumentos do que, de fato, migrar de localização. “É muito natural que os empreendedores queiram diminuir custos e o aluguel é um deles. Mas diante da crise, às vezes isso nem é necessário. Uma conversa franca com o proprietário pode resultar em um novo contrato, com preços mais baixos”, diz.

Caso uma mudança seja necessário, os especialistas recomendam, deve ser observado se o novo ponto tem bom acesso e se não vai eliminar algumas facilidades aos clientes, como local para estacionar. “Uma boa comunicação para explicar a mudança ajudará muito a não perder clientes, caso a troca de ponto seja feita”, finaliza Campos.

Tudo o que sabemos sobre:
MicroempresaAluguel de Imóvel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.