Rachel Pontes/ Oli
Rachel Pontes/ Oli
Conteúdo Estadão Blue Studio

Referência em inovação, Rodrigo Cartacho revela seu novo passo como empreendedor: o live commerce

Dez anos após lançar a Sympla, Cartacho fala sobre a Oli, empresa que assume como sócio e cofundador e que vem revolucionando o mercado de live commerce no Brasil

Oli, Estadão Blue Studio

18 de abril de 2022 | 08h00

Pioneira em vendas ao vivo no mercado nacional em multicanais, a Oli revela Rodrigo Cartacho como um dos seus fundadores. Com seu histórico de sucesso como cocriador da Sympla, maior plataforma online de eventos no Brasil, Cartacho traz sua expertise a fim de expandir e explorar o universo de possibilidades do live commerce.

"A Oli nasceu muito bem posicionada, em um mercado superaquecido e com tudo na mão para crescer cada vez mais sendo a maior empresa de live commerce do Brasil", diz Cartacho. "Hoje, escolhi trazer meu conhecimento para um novo negócio na posição de Conselho, focado em estratégia de médio e longo prazo", afirma.

Cartacho conta que, ao deixar a função de CEO da Sympla, cargo que ocupou de 2012 a 2021, pretendia tirar um período sabático de dois anos. Mas foi fisgado pelas oportunidades que fizeram nascer a Oli, cofundada no ano passado por Bernardo Dinardi, empresário do setor de brand experience; Isa Domingues, pioneira em live commerce no País; Danilo Tanaka, especialista em tecnologia e cyber security; e Ludmila Tavares, profissional de marketing com mais de 16 anos de experiência. 

"Conheci o Bernardo Dinardi quando participamos juntos do projeto social 'Crie O Impossível', em Belo Horizonte. Nos aproximamos durante a quarentena e, quando as conversas de live commerce começaram a amadurecer no Brasil, enxergamos a mesma oportunidade", conta Rodrigo.

Febre no mercado asiático, com um faturamento previsto de US$ 770 bilhões em 2023 apenas na China, o mercado de live commerce tem tudo para crescer, e muito, no Brasil. Pesquisas mostram que 88% dos brasileiros pretendem consumir live shopping e 42% já fizeram compras influenciados por criadores de conteúdo digital. E é neste cenário que a Oli vem oferecendo soluções, transformando sites e aplicativos de e-commerces de empresas em um novo canal de venda ao vivo. "Já começamos muito bem, com um papel de pioneirismo e liderança, atendendo a grandes marcas. A empresa nasceu com o capital dos fundadores no modelo de bootstrapping e já gera receita própria para reinvestir e acelerar o crescimento do negócio", diz Cartacho. 

Por meio do live commerce, os consumidores podem conhecer mais detalhes sobre os produtos, interagir com quem apresenta a live, comprar em uma jornada integrada e também se divertir. Atuando de ponta a ponta, a Oli oferece plataforma, tecnologia, estratégia, produção de conteúdo, seleção de influenciadores e até estúdio próprio com foco em atender a demanda dos grandes varejistas.

Como todo empreendedor, Cartacho está sempre um passo a frente e já adianta o futuro da Oli. "Vamos continuar nos posicionando como referência em live commerce. Em perspectiva, seremos a empresa responsável por trazer a nova tendência para o varejo nacional: o video commerce, uma possibilidade de gerar conversão com snack contents e short videos, versões mais curtas de conteúdo que podem ser gravados ou ao vivo, sendo exibidos no próprio site ou app do varejista."

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Tudo o que sabemos sobre:
empreendedorismostartup

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.