Tomas Rangel/Divulgação
Tomas Rangel/Divulgação

Rede de restaurantes do Rio fatura R$ 5 milhões com linha de produtos de marca própria

Marca tem 20 itens, como molho de alcaparras com ervas, cobertura de goiaba, brigadeiro e açaí

Estadão PME,

22 de outubro de 2014 | 13h00

Desde o início, a ideia dos sócios do Bazzar não era só abrir um restaurante, mas criar uma marca para evoluir com outros negócios. O restaurante nasceu em 1998, no Rio, e o lançamento da linha de produtos gourmet foi em 2007. Hoje, a marca tem 20 itens, como molho de alcaparras com ervas, cobertura de goiaba, cafés, brigadeiro e açaí.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A ideia de lançar produtos para o cliente levar para a casa surgiu em 2005. O desafio foi manter o sabor e a qualidade dos produtos na escala industrial. A chegou a estudar o modelo de expansão da marca por franquias. “Achamos que o desenvolvimento do negócio por meio de produtos seria mais adequado porque poderíamos gerenciar melhor a qualidade”, afirma um dos sócios do Bazzar, André Paraizo.

:: Leia também ::

Restaurantes têm alternativas além do prato na mesa

Casa de massas traz resultados vantajosos

São três unidades em funcionamento que representam 75% do faturamento anual do grupo, hoje na casa dos R$ 20 milhões. A indústria representa os outros 25% (R$ 5 milhões), mas na visão de Paraizo, a tendência é que esse porcentual aumente. Os itens são vendidos no exterior e em 600 pontos de venda no Brasil. “Os produtos também são vendidos no restaurante, mas de forma passiva”, afirma.

Entre os desafios enfrentados na expansão do negócio pelo caminho industrial, Paraizo cita a distribuição. “Como todo negócio novo, o papel aceita tudo. O mundo real é mais complicado do que a gente imagina. É um caminho árduo, principalmente os caminhos da rede de distribuição. Não basta só encantar o cliente, é preciso fazer com que o produto chegue a um preço compatível, no tempo que ele precisa”, diz. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.