Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Rede de maquiagem Contém 1g planeja expansão no interior

Empresa planeja acabar o ano com 194 unidades e abrir mais 40 lojas em 2013 sem abrir mão do comércio de rua

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

27 de novembro de 2012 | 07h00

Depois de se consolidar em shoppings das capitais, a rede de maquiagem Contém 1g mira o interior do País. A previsão para 2013 é abrir 40 lojas. O plano inclui novos shoppings, mas não descarta o comércio de rua.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“É uma questão estratégica. Primeiro, queríamos fortalecer o conceito nos grandes centros para depois partir para o interior”, diz a gerente sênior de expansão da marca, Joelma Francisco. A rede faturou R$ 125 milhões no ano passado e a expectativa é crescer 33% em 2012 para atingir R$ 166,25 milhões.

Atualmente, a Contém 1g tem 164 unidades, sendo 97 lojas e 67 quiosques. A rede pretende encerrar o ano com 194 pontos de venda, todos em acordo com o conceito da marca. A proposta das unidades é proporcionar mais interatividade e experimentação dos produtos por parte das consumidores – outra característica é que os produtos são divididos por tendências de moda e ocasiões, diferentemente da divisão antiga por etnias.

Na percepção de Joelma, os negócios em shoppings seguem em constante crescimento. No caso da Contém 1g, esse ponto também favorece uma situação mais confortável para a realização dos cursos de maquiagem promovidos nas unidades. “Mas por outro lado, nossa loja em Copacabana, no Rio de Janeiro, vai indo muito bem. É uma questão de oportunidade. Depende muito da cidade.”

Na avaliação do professor da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), Artur Motta, a expansão das franquias para o interior é um processo que deve acelerar nos próximos anos. “Há o aumento de renda da população e a opção de algumas famílias por melhor qualidade de vida. Com isso, existem mais oportunidades em comparação com os saturados centros urbanos”, opina.

Para quem está interessado em abrir uma franquia da empresa, o investimento inicial do quiosque é de R$ 167 mil – para uma loja, o valor chega a R$ 343 mil sem contar o custo com o ponto. O tempo de retorno oscila entre 24 e 36 meses.

“Não buscamos apenas investidores, buscamos pessoas comprometidas. É um negócio que requer dedicação e gosto por maquiagem”, destaca Joelma. O faturamento médio, incluindo quiosques e lojas, é de aproximadamente R$ 70 mil por mês, mas há casos de unidades que chegam a faturar R$ 300 mil – a taxa de rentabilidade oscila entre 15% e 20%.

De acordo com Joelma, 90% dos franqueados na linha de frente da loja são mulheres. “Desde o ano passado, temos notado muita gente jovem interessada na nossa franquia. Pode pesar o aspecto da maturidade em relação aos negócios, mas por outro lado, eles têm uma vitalidade para vivenciar a operação da unidade”, afirma.

Para os potenciais investidores, o professor da Fecap, Artur Motta, recomenda um negócio alinhado com os objetivos pessoais e profissionais de cada interessado. O ideal, de acordo com o especialista, é pesquisar alternativas de franquias disponíveis em feiras e associações, além de conversar com outros franqueados para entender a realidade do negócio e executar um planejamento eficiente.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.