Divulgação
Divulgação

Rede de franquias tem 141 lojas e fatura R$ 210 milhões

First Class foi criada há 13 anos por André Pivetti

Gisele Tamamar, Estadão PME,

27 de junho de 2014 | 07h02

De tanto visitar clientes quando atuava como vendedor e representante comercial, o empresário André Pivetti desenvolveu o sonho de abrir o próprio negócio. Há 13 anos, ele colocou o plano em prática e entrou para o segmento de cama, mesa e banho. Hoje, ele está no comando da First Class, uma rede com 141 franquias e que faturou R$ 210 milhões no ano passado.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O nome da primeira loja de Pivetti era Deitando e Rolando. Mas o ex-vendedor logo percebeu que o nome não ajudaria na expansão da marca e, seis meses depois, mudou para First Class. Nesse tempo, a principal dificuldade encontrada era com os fabricantes.

:: LEIA TAMBÉM ::

Casa própria turbina redes para cama, mesa e banho

Negócio começou com venda personalizada

“Gostaríamos de ter acesso a algumas marcas, mas elas não atendiam qualquer cliente. Aquilo me incomodava demais. Eu queria ter alguns produtos de qualidade superior, mas não conseguia”, relembra.

A solução foi estudar o setor. “O mercado era muito elitista. Mas isso foi bom porque por meio dessa ‘caixa de nãos’ que comecei a entender como funcionava o outro lado, que era industrializar, importar, produzir produtos exclusivos e entender de qualidade de produto”, diz o empresário.

Pivetti chegou a ter 25 lojas próprias há cinco anos, mas nunca teve intenção de abrir franquia. Foi a insistência de amigos que o levou para o modelo. “Eu tinha receio de ter franquia. Não queria ter problema com ninguém, era um cenário que não me agradava. Até que eu abri a primeira loja com um amigo e foi uma experiência boa”, conta.

Desde então, André Pivetti não parou de abrir franquias. “Quando era dono de loja queria ter a maior rede de cama, mesa e banho do Brasil. Quando eu virei franqueador, eu quis ter a melhor operação de franquia do Brasil. Isso é uma diferença grande: deixar de querer ser o maior e tentar ter o serviço melhor. É uma busca constante.”

Para sustentar a operação das lojas, o empresário abriu uma fábrica e 80% dos produtos vendidos são de marca própria - itens produzidos ou importados pela rede. “Temos mercado para crescer, sim. Mas com pé no chão”, completa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.