Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Recuperação econômica não chega a negócios informais e pequenos

Índice que mede atividade econômica dos pequenos empreendedores registrou queda de 15,15% em julho em relação ao mesmo período do ano passado

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2021 | 18h56

A retomada econômica ainda não é uma realidade para os varejistas de pequeno porte, microempreendedores e profissionais autônomos. Em julho, o Índice SumUp do Microempreendedor (ISM), que mede a atividade econômica deste público, se manteve abaixo do esperado e atingiu 75,52 pontos, o que representa queda de 15,15% em relação ao mesmo período do ano passado e um aumento de 0,9% ante junho de 2021.

 Segundo Renan Pieri, professor da Fundação Getúlio Vargas e responsável pelo Índice, a atividade econômica também pode ser impactada pela alta da taxa básica de juros, hoje em 5,25%.

"A alta da Selic leva ao aumento dos juros bancários, o que afeta a vida dos microempreendedores que precisam de empréstimos, por exemplo. O aumento das taxas, por sua vez, influencia negativamente a atividade econômica", afirma.

 O Brasil tem 24,5 milhões de profissionais autônomos, segundo levantamento do IBGE realizado em 2020. O ISM é construído com base em dados de negócios de profissionais informais, além de micro e empresas de todos os Estados brasileiros e de mais de 30 ramos de atividades distintos. Ele é calculado com base nas vendas processadas pelas maquininhas da SumUp. Além disso, a metodologia conta com a seleção de um indicador de referência para ajuste estatístico do modelo, ponderação e colapso de dados e estimativa econométrica.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.