Nilton Cardin/Estadão
Nilton Cardin/Estadão

Quais são as estratégias adotadas por empreendedores para superar a sazonalidade

O que as empresas fazem para reduzir a dependência de uma época específica do ano, como o verão

Roberta Cardoso, Estadão PME,

03 de fevereiro de 2013 | 11h48

A sazonalidade obriga as empresas a se reinventarem. Afinal, a dependência de um período específico do ano pode simplesmente comprometer a saúde financeira e a consequente sobrevivência de pequenos negócios. “O empreendedor deve tentar identificar algo novo onde possa canalizar a produção ou agregar valor ao que já existe”, explica Claudio D’Ipolitto, da FGV. O uso da estratégia, por exemplo, garantiu não só a sobrevivência dos Sorvetes Rochinha, mas também a sua expansão.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Por isso, a tradicional empresa do litoral paulista construiu uma nova fábrica para ampliar os pontos de venda no País, exportar e iniciar a produção de sorvetes de massa para a venda no varejo. “A temporada de verão hoje aumenta em 40% as vendas. Antes era mais. Há 5 anos, a gente dava férias coletivas para os funcionários no inverno”, conta Juliana Lopes, coordenadora de marketing da empresa e filha do proprietário, José Lopes.

O investimento de R$ 8 milhões da empresa no novo espaço vai possibilita uma logística de entrega mais otimizada, assim como aumenta a linha de produtos. “Em pesquisas descobrimos que no inverno 70% do consumo de sorvetes é de massa. Vamos equilibrar a produção no inverno e aproveitar a preferência do consumidor pelo sorvete em pote nessa época”, explica a empreendedora Juliana Lopes.

No mesmo ritmo, os fabricantes do Biscoito Globo, no Rio de Janeiro, buscam alternativas para ajustar a venda do produto feito de polvilho ao longo do ano. Comercializados na praia ou no trânsito por ambulantes, a marca passou a investir em embalagens plásticas, que ajudam a conservar melhor o alimento e o torna apropriado para a venda em lojas e padarias.

“Mas a tradicional embalagem de papel nunca vai sair de linha”, explica Marcelo Ponce, gerente responsável pela empresa.

Minimizar a dependência dos dias ensolarados é a chave para o Biscoito Globo equilibrar a produção, que sofre um impacto de 50% por conta da meteorologia desfavorável. “Em dias de sol a gente vende 10 mil unidades. Se ele desaparece, o número cai para 5 mil”, conta Ponce.

Estética. A rede Onodera, especializada em tratamentos estéticos, também encontrou uma forma de beneficiar-se da maior demanda provocada pelo verão. Segundo Lucy Onodera, diretora da franquia, a procura por tratamentos aumenta nos meses que antecedem a estação e caem a partir das festas de final de ano. Por isso, a marca passou a oferecer pacotes de tratamentos para o carnaval. “É uma época onde a exposição do corpo é maior e isso estimula a procura”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.