Projeto de lei que proíbe expor animais em vitrines não agrada lojistas

Empresários do setor de pet shops acredita que lei pode comprometer os negócios

estadão pme,

18 de julho de 2011 | 18h00

O Projeto de Lei nº 477/10, que prevê a proibição da exposição de animais em vitrines de pet shops, entre outras mudanças, não agrada o Sindicato dos Lojistas do Comércio de São Paulo (Sindilojas-SP). A entidade está mobilizando empresários do setor para rejeitar o projeto de autoria do vereador Roberto Trípoli.

Se aprovado e fixado como lei, o projeto deve impactar nas empresas deste setor.  De acordo com Valquíria Furlani, coordenadora da Câmara Setorial de Lojistas de Pet Shop, o Sindilojas-SP apoia sem restrições  a proteção dos animais de exposições desnecessárias que coloquem em risco sua integridade física.  No entanto, a instituição não acha “razoável” a proibição determinante da exposição dos mesmos em vitrines nos estabelecimentos.  “Já existe uma lei municipal, de nº 14.483/07, que estabelece as condições e exigências para os animais dispostos em vitrines e afins. Inclusive, essa lei também é da autoria do vereador Trípoli”, esclarece Valquíria.

Complementando a defesa de Valquíria Furlani, o presidente do Sindilojas-SP, Ruy Nazarian, explica que a entidade não se opõe ao projeto como um todo; apenas a algumas de suas premissas – no caso, a proibição da exposição de animais nas vitrines e à possibilidade de convênios com entidades não governamentais sem um devido trabalho de fiscalização.

No final de junho, o Sindilojas-SP reuniu empresários para discutir a questão. Em unanimidade, o projeto foi contestado pois os participantes da reunião  entendem que a medida comprometerá os negócios.

Tudo o que sabemos sobre:
ComércioNegócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.