Alexandre Zelinski
Alexandre Zelinski

Programas ajudam pequenos empreendedores a exportar

Inscrições estão abertas até dia 10 para programa da FedEx; exportação das PMEs cresceu nos últimos anos, diz Sebrae

Tomás Conte, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2019 | 06h10

ESPECIAL PARA O ESTADO

As exportações de pequenos negócios não chegam a somar volume palpitante no total brasileiro, representando apenas 0,54% do mercado, segundo dados de 2017 (os mais recentes) compilados pelo Sebrae em órgãos como IBGE e ministérios. No entanto, entre os micros e pequenos, que representam quase metade (40,8%) das empresas que exportam, o valor gerado em negócios cresceu 37% desde 2011, somando US$ 1,1 bilhão em 2017. De olho nesse público, FedEx, Correios, DHL, Apex-Brasil e outros órgãos contam com programas para ajudar a PME a exportar.

Até o dia 10 deste mês, estão abertas as inscrições do programa anual da FedEx, que quer saber quais os sonhos do empreendedor para globalizar seu negócio e concede prêmio para as melhores histórias: R$ 100 mil para o primeiro lugar e R$ 40 mil para o segundo. Além disso, as duas empresas (que devem ter menos de 100 funcionários e faturamento anual de até R$ 3,6 milhões) recebem mentoria da FedEx.

O programa FedEx para Pequenas Empresas começou em 2012 nos Estados Unidos e aposta no potencial do nicho. “A FedEx vê um grande potencial de crescimento de pequenas empresas e acredita que pode ajudar na expansão internacional desses negócios”, diz Fabiano Fração, vice-presidente de vendas da FedEx Express para a América do Sul.

Uma das empresas já contempladas foi a Ecotag, de Blumenau (SC), que produz lacres de autenticidade com foco no mercado têxtil. Ficou em segundo lugar no programa em 2017 e ganhou R$ 10 mil, que o fundador da empresa, Júnior Souza, usou para conhecer o mercado do Peru. “Começamos a exportar no início de 2018. No Peru, quatro empresas compram nosso produto. Não é tão expressivo ainda, o dólar é muito caro, a nossa moeda é muito desvalorizada. Temos uma certa dificuldade em brigar com a China”, diz.

Atendimento

Para o especialista em comércio exterior e consultor do Sebrae Gilberto Campião, o empreendedor também precisa ter a cabeça “internacionalizada” e estar preparado para a demanda. “Às vezes, o empreendedor tem um site, o pessoal entra em contato e ele não responde, perde oportunidade. Tem de pensar no produto, no cliente lá fora, ajustar o idioma do site.”

Júnior Souza, da Ecotag, completa que, além da competitividade e da barreira do idioma, teve de entender a legislação de cada país. “Para mandar para o Peru é uma forma, para a Colômbia é outra. Aí você sai do Mercosul e muda tudo”, diz ele, que entrega produtos por FedEx ou DHL (a escolha é do cliente).

Além da parte logística da entrega, que empresas como FedEx, DHL e Correios realizam, o empreendedor precisa estar em dia com a documentação. Para um produto sair do Brasil, é preciso ter a Declaração Única de Exportação (DU-E). No caso do programa Exporta Fácil dos Correios, a empresa ajuda o pequeno com essa burocracia.

Na DHL, que diz ter mais de 2.000 pequenas e médias empresas como clientes, PMEs podem obter auxílio com questões burocráticas, além de ajuda com dicas de preparação e envio. “Temos especialistas locais que ajudam o exportador desde a análise da melhor rota, meio de transporte, documentações e até no cálculo da emissão de CO2 do seu itinerário”, diz Eric Brenner, CEO da DHL Global Forwarding Brasil.

Já o programa Brazilian Suppliers, uma parceria da Apex-Brasil com o Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (CECIEx), foca em ajudar micros, pequenos e médios empreendedores por meio da conexão com Empresas Comerciais Exportadoras (ECEs) identificadas, que já possuem rede de compradores no exterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.