Profissionalismo é a palavra da moda para você se tornar relevante ao abrir um bar ou restaurante

Amadorismo precisa ficar de lado caso o empreendedor queira ganhar destaque no concorrido mercado

Rodrigo Rezende, Estadão PME,

20 de novembro de 2013 | 06h38

 

 

Especialistas no setor concordam que a profissionalização é a palavra do momento para quem investe em negócios no mercado de bares e restaurantes.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Na opinião do sócio e consultor da ba}Stockler, Luis Henrique Stockler, é preciso separar o lazer do trabalho. "Ter um negócio é diferente de ir lá para se divertir", diz. Stockler usa como comparação a conhecida história da pessoa que sonha deixar a cidade grande e montar uma pousada em um lugar paradisíaco. "Tem que ter consciência de que vai trabalhar muito."

Mesmo assim, o especialista ressalta que o segmento é promissor porque as pessoas, cada vez mais, comem fora de casa. "Isso chega a quase 40% dos gastos da família com alimentação." Os supermercados, por exemplo, aumentam suas ofertas de comidas prontas porque entendem que os restaurantes são concorrentes." E para aqueles que pretendem ingressar no ramo, Stockler consegue até mostrar o caminho das pedras.

"O empreendedor precisa mapear e encontrar as regiões mais carentes de oferta de acordo com o tipo de negócio que ele quer abrir", diz o especialista. Para quem já está no mercado, Stockler afirma que o segredo é não se acomodar. "Tem que ser eternamente insatisfeito e se atualizar."

O presidente do Outback Brasil, Salim Maroun, também aponta o profissionalismo como característica principal para o mercado no País. "Mais da metade dos restaurantes fecham antes de completarem um ano por falta de conhecimento", analisa.

Maroun revela, inclusive, um ensinamento que tem trazido resultados positivos para a rede de restaurantes: é preciso ter as melhores pessoas em sua equipe. No Outback, os gerentes, por exemplo, são potenciais futuros donos de lojas – a empresa os torna cotistas mediante aporte de R$ 60 mil. "Até hoje, todos continuam com a gente, 70% dos sócios são ex-funcionários."

Quem concorda que o amadorismo não tem mais vez é outro consultor, Adri Vicente Júnior, diretor proprietário da Food Service Company. Segundo ele, é necessário preocupar-se com todas as áreas e etapas do empreendimento. Júnior avalia ainda que é importante estar sempre de olho no concorrente. "Assim, é possível encontrar pontos de melhoria e oportunidades de fazer diferente", finaliza.

:: Leia também ::

A receita do sucesso de quem chegou lá

Franquias faturam alto no segmento

Mesma realidade, mesmas dificuldades

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.