Previdência tem melhor resultado para julho desde 1999

Rombo de julho somou R$ 2,085 bilhões, resultado 24% menor do que o do mesmo mês de 2010

Célia Froufe, Agência Estado,

25 de agosto de 2011 | 12h43

O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, afirmou que se surpreendeu com o resultado da Previdência em julho. "O resultado me surpreendeu em face ao momento econômico que o Brasil está vivendo, de dúvidas e incertezas sobre crescimento e no âmbito de crise internacional", disse hoje durante entrevista coletiva.

No mês passado, a Previdência Social registrou um déficit de R$ 2,085 bilhões. De acordo com o ministro, este foi o melhor resultado para um mês de julho desde 1999, quando o saldo ficou negativo em R$ 1,5 bilhão. "Em linguagem pop, julho ''bombou''", brincou Garibaldi.

Ele enfatizou que o déficit acumulado do ano, de R$ 21,864 bilhões, também foi o melhor para os primeiros sete meses do ano desde 2004, quando ficou negativo em R$ 21,878 bilhões.

Renúncias

As renúncias previdenciárias com o Simples Nacional já somam R$ 6,633 bilhões no ano até o mês passado, segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Previdência Social. O valor é 18,6% maior do que o do mesmo período de 2010 (R$ 5,590 bilhões) e tende a aumentar por conta da ampliação do programa, no início deste mês, com a elevação do teto do faturamento das empresas para aderirem a Simples. Apenas no mês de julho, a renúncia previdenciária com o programa foi de R$ 937,6 milhões, valor 18,2% maior do que o verificado em idêntico mês de 2010, de R$ 792,9 milhões. Os dados antigos são corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Além do Simples, a Previdência também apresentou, em julho, renúncias para entidades filantrópicas (R$ 599 milhões), tecnologia da informação (R$ 6,4 milhões) e exportação da produção rural (R$ 220 milhões). No saldo acumulado do ano, essas renúncias somam R$ 4,237 bilhões, R$ 45,2 milhões e R$ 1,557 bilhão, respectivamente.

Tudo o que sabemos sobre:
PrevidênciaEconomiaICMSImpostos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.