Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Planejar é importante para a pequena empresa  sobreviver aos primeiros anos de vida

Falta de organização é a maior causa de falências entre pequenos empreendedores

Estadão PME,

06 de dezembro de 2012 | 06h30

 Seis em cada dez empresas que fecham as portas no estado de São Paulo enfrentaram problemas com o planejamento inicial ou com a gestão da operação. O dado faz parte do último levantamento realizado pelo Sebrae-SP para explicar os motivos da alta taxa de mortalidade dos pequenos e médios empreendimentos.

Segundo o estudo, realizado em 2009, 58% das empresas paulistas não sobrevivem aos primeiros cinco anos de atividade – 37% delas sequer passam do primeiro ano de vida. E a organização – ou melhor, a falta dela – é de longe a maior vilã dos empresários. Problema que piora quando se leva em consideração a competitividade cada vez maior do mercado.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“Quando o momento econômico é de crescimento, o planejamento incorreto pode até mesmo ser encoberto pelas condições favoráveis. Entretanto, quando os mercados se tornam mais competitivos e restritivos, um planejamento equivocado pode colocar em risco recursos financeiros preciosos que não conseguem ser repostos”, afirma Reinaldo Messias, consultor do Sebrae-SP.

Segundo ele, o que está por trás da desorganização de parte dos empreendedores brasileiros é a falta de conhecimento sobre estratégias de administração e ferramentas de marketing. Exemplo disso é que 45% das empresas de pequeno porte afirmam que não têm informações sobre o tamanho do público que pretendem atingir ou sabem a respeito dos hábitos de consumo de seus clientes. Pior: entre 26% e 30% desconhecem dados sobre seus concorrentes, fornecedores ou sequer têm ideia do investimento necessário para tocar a operação.

::: LEIA TAMBÉM :::

:: O calendário da economia ::

Apesar disso, quando o assunto é planejar, o principal desafio do empreendedor está no bolso. “Sua maior dificuldade é com relação aos custos”, afirma Marcos Assi, professor da Trevisan Escola de Negócios. Para ele, basta entrar no campo contábil que o negócio descamba. “Fico temeroso quando converso com as pessoas e vejo que elas têm ideias muito boas, mas se esquecem de que tudo tem um preço, de que as ideias têm um valor. Muitos empresários com ótimos projetos começam a gastar demais e às vezes nem conseguem colocar o produto para funcionar”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.